A conta vai para o trabalhador
A intenção é vender a Petrobras, que há décadas vem sendo cobiçada pelas petroleiras estrangeiras.

Por: Redação do Diário Causa Operária

Com os novos aumentos anunciados na segunda-feira (08/03), onde a Petrobras repassou os últimos reajustes em suas refinarias, o preço do diesel superou o valor de 2018. Época em que os caminhoneiros fizeram a greve.

A isenção de impostos federais concedida na semana passada fica frustrada com os novos aumentos. Eles são da ordem de 5,5% no diesel e 8,8% na gasolina. A Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustível (ANP) diz que esse é o terceiro maior reajuste da série histórica, iniciada em 2004, conforme matéria do jornal Brasil 247.

Conforme matéria deste jornal, desde o golpe de Estado em 2016, até 2018 os aumentos acumulados da gasolina foram de 200%, indo de R$ 2,899 para R$ 5,199. O gás de cozinha foi de R$ 45,00 para R$ 70,00.

Com estes aumentos, os caminhoneiros decretaram greve no país inteiro, deixando o governo em situação muito difícil. E a saída encontrada pelo governo foi a elevação dos impostos no setor petroquímico e nos bancos, para compensar a isenção de impostos sobre o diesel para conter a greve dos caminhoneiros.

E fica claro que essa política leva ao encarecimento dos produtos transportados pelos caminhões, resultando em aumento de preços nos supermercados e aumento da inflação. É assim que esses governos golpistas de Temer e de Bolsonaro agem, sempre de acordo com o neoliberalismo.

Privatizando tudo, neste caso a Petrobras, os preços passam a ser controlados pelos monopólios do petróleo, e são usados para dar aparência de justos, quando na verdade é o contrário disso. E a conta toda a ser paga vai para o trabalhador.

Existe uma gigantesca reserva de petróleo no subsolo, o pré-sal, que foi entregue para a exploração pelos monopólios e não mais pela Petrobras. Essa reserva garante ter diesel e gasolina a preços bem inferiores, como no resto da América Latina, a menos de um real. 

Ao invés disso, mudam a política de preços, indexando o preço interno ao preço do dólar no mercado externo. Vendem as refinarias e assim passamos a depender de exportar o petróleo e importar seus derivados, diesel, gasolina e gás. Bom para os monopólios e muito ruim para o povo brasileiro. Puro entreguismo do governo ao imperialismo.

Foi para isso que o governo do pós golpe, Michel Temer, colocou o Pedro Parente no comando da Petrobras, para criar toda essa farsa com os preços, para poder alegar que uma das maiores petroleiras do planeta fosse ineficiente.

Está claro que o país chegou a esse ponto devido à política de preços, sem pé nem cabeça, por parte do governo fascista e fantoche dos EUA imperialista. A ideia era claramente entregar a Petrobras às outras petroleiras monopolistas e multinacionais. É a entrega das riquezas do país aos monopólios estrangeiros. 

É preciso acabar com essa política de destruição do país, caso contrário, em um futuro não distante, o Brasil entrará na maior miséria e fome da história do país.

Os trabalhadores, o povo em geral, devem se organizem em conselhos populares nas empresas, nos bairros e nas escolas e elejam uma pauta de reivindicações e saia às ruas lutando por elas até a vitória. Pondo fim a esse governo golpista e genocida, assumindo o controle do Estado de uma vez por todas.

Send this to a friend