Com fim do Foro, Beto Richa será julgado na cidade que sua família controla há décadas

CCJ sabatina Fachin, indicado para ministro do STF

Ao contrário do que acreditou parte da esquerda pequena-burguesa, guiada pela campanha da burguesia golpista, o fim do Foro Privilegiado não acabou com os “privilégios dos políticos”. Essa campanha faz parte da campanha contra a corrupção impulsionada pela burguesia, que foi o que permitiu um vale-tudo da direita contra toda a população e todo um setor político de cujos interesses políticos divergiam, expresso sobretudo na perseguição ditatorial feita pela Operação Lava-Jato contra o Partido dos Trabalhadores (PT).

Dessa maneira, já estava claro desde o início que a imensa campanha da imprensa golpista pelo fim do Foro Privilegiado seria apenas uma maneira de perseguir mais facilmente políticos de esquerda, enquanto a burguesia teria seus funcionários do congresso nacional “julgados”, se é que podemos usar essa palavra, por juízes amigos, como o Sérgio Moro, que não colocou nenhum tucano do PSDB na cadeia, mas participou de jantares financiados por grandes empresários, como João Dória, ex-prefeito da cidade de São Paulo.

Foi o que ficou demonstrado com o caso Aécio Neves (PSDB-MG), que foi mandado para justiça de Minas Gerais, onde ele exerce uma influência muito grande dentro do aparato político. Também, é o que está acontecendo com o atual governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), que está sendo acusado de ter desviado 100 mil reais das verbas da saúde para reformar unidades quando era prefeito de Curitiba.

O Governador foi enviado para justiça de Curitiba, onde ele e sua família controlam há anos, sendo filho de José Richa, influente político burguês do Paraná que já foi governador do estado, e estando casado com uma família de pecuaristas, banqueiros e outros políticos burgueses do Estado.

Fica muito claro o objetivo real do fim do Foro Privilegiado. Não era acabar com a corrupção, como alguns diziam, mas permitir que os políticos de esquerda sejam tratados com o mesmo descaso que Lula, preso por um juiz de primeira instância sem ter cometido crime, enquanto os políticos de direita são tratados como compadres. Era de se esperar…