Estado omisso
Com a reabertura de alguns setores da economia e sem escolas e creches funcionando, mais mães terão de voltar ao trabalho sem ter onde deixar seus filhos durante o expediente
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mae filho
Mãe com filho. | Foto: Alexandre Henriques

Sem ter apresentado um plano consistente para o enfrentamento da crise econômica e sanitária, governantes começam a ceder à pressão da burguesia que está vendo seus negócios afundando durante o isolamento social.  Mesmo com os casos de contágio por coronavírus e dos óbitos pela Covid-19 continuarem aumentando em todo todo o país, vários municípios brasileiros começam a flexibilizar a quarentena. 

Em São Paulo, o prefeito Bruno Covas anunciou desde a semana passada o processo de abertura gradual da economia. Vários setores que estavam inativos ou funcionando de forma muito limitada, estão voltando à atividade regular.

Assim como não houve um planejamento adequado e competente para se iniciar as medidas para conter o avanço das contaminações, o retorno às atividades também é feito de forma completamente desarticulada. Um exemplo bem claro disso é que, apesar de as mulheres representarem, em 2019, 51,03% da força de trabalho no Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ou seja mais da metade das vagas de emprego são por elas ocupada, o retorno às atividades econômicas não as leva em consideração.

Muitas são mães e sempre contaram com escolas e creches para deixarem seus filhos em segurança durante o expediente de trabalho. Mas como irão se virar aquelas que não têm com quem contar para cuidar de seus filhos, uma vez que as escolas e creches não voltarão ainda a abrir suas portas por causa da pandemia?

Segundo a página da UOL na internet, o prefeito de São Paulo pediu “atenção às mulheres porque as escolas e creches não reabrirão e o cuidado dos filhos culturalmente recai sobre elas, que terão emprego ameaçado”. Quer dizer, não dão a menor garantia para que essas mães possam voltar ao trabalho: ou se viram para deixar os filhos com alguém, ou correm o risco de perderem seus empregos, pois contarão tão somente com a “sensibilidade” dos patrões, uma vez que o poder público não é capaz de intervir para garantir a proteção dessas crianças e/ou a manutenção do emprego e dos salários das mães trabalhadoras. Como sempre, as trabalhadoras mais pobres serão as mais prejudicadas porque possuem menos recursos para encontrar uma solução para conciliar trabalho e proteção dos filhos.

Esse foi, justamente, o caso de Mirtes Renata de Souza, a mãe do garoto Miguel, de 5 anos de idade, que caiu do 9º andar de um edifício de luxo no centro de Recife.

Apesar da pandemia, Mirtes continuava trabalhando normalmente como empregada doméstica para a primeira dama do município de Tamandaré. Com as escolas e creches fechadas, Mirtes deixava a criança aos cuidados de sua mãe, avó da criança, que naquele dia não poderia ficar com ela porque tinha de sair para ir buscar suas receitas médicas e ir ao banco. 

A solução encontrada foi levar o filho junto com ela ao trabalho. Tendo como tarefa levar os cães da patroa para passear, deixou a criança a seus cuidados. Mas como todo elemento das classes mais abastadas, a patroa não tem a menor consideração pelas pessoas pobres e, não só permitiu, mas contribuiu ativamente para que a criança seguisse sem nenhuma proteção para o 9º andar do prédio, onde a tragédia ocorreu.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas