Siga o DCO nas redes sociais

Com críticas a Bolsonaro, termina festival de cinema em Pernambuco
cine pernabuco
Com críticas a Bolsonaro, termina festival de cinema em Pernambuco
cine pernabuco

No sábado (3), foi realizado, no cinema nacional São Luiz, no centro de Recife, mais um Cine PE, importante festival que acontece todos os anos e já está na sua 23ª edição. Todos os representantes dos filmes fizeram criticas às declarações de Jair Bolsonaro sobre a extinção da Agência Nacional do Cinema (Ancine). A atriz Drica Moraes, que recebeu o troféu Calunga de Ouro, denunciou o atual governo dizendo que “governo trabalha incessantemente no incentivo de descredibilizar e demonizar qualquer atividade ligada à cultura e arte, de modo geral, mas nós também podemos dizer que iremos continuar a fazer os nossos filmes”.

O pernambucano Renato Góes, que lançou o seu filme “O corpo é nosso!” juntamente com a carioca  Theresa Jessouroun, também fez críticas ao momento político.  Não teve um representante que não tenha sido ovacionado em seu discurso. A diretora Jessouroun, além de falar da importância do fundo setorial, ressaltou que “Fazer arte é um ato político”.

Isso é prova que onde têm grupos de pessoas, tem oposição a Bolsonaro. Além disso, no meio cultural, a tendência é de resistência à direita, pois a direita é inimiga da cultura e da educação.  A extinção do Ministério da Cultura e os cortes bruscos realizados na área durante estes 7 meses de governo evidenciam que Bolsonaro é inimigo da cultura.

Lista dos premiados do 23º Cine PE | 2019

PRÊMIO CANAL BRASIL
Melhor Curta – Apneia (PR)

PRÊMIO DA CRÍTICA – ABRACCINE
Melhor Curta Nacional – A Pedra (RS)
Melhor Longa-Metragem – Espero Tua (Re)Volta (SP)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS
Melhor Filme – Coleção
Júri Popular – Mulheres de Fogo
Melhor Direção – André Pinto e Henrique Spencer (Coleção)
Melhor Roteiro – André Pinto (Coleção)
Melhor Fotografia – André de Pina (Quando A Chuva Vem)
Melhor Montagem- Paulo Leonardo (Quando a Chuva Vem)
Melhor Edição de Som – Alisson Santos (Quando a Chuva Vem)
Melhor Direção de Arte – Jefferson Batista (Quando a Chuva Vem)
Melhor Trilha Sonora – Miguel Guerra (S/N (Sem Número))
Melhor Ator – Jorge de Paula (Coleção)
Melhor Atriz – Hermínia Mendes (Coleção)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS
Melhor Filme – (Cor de Pele)
Júri Popular – (Tommy Brilho)
Melhor Direção – Carlos Nigro (Casa Cheia)
Melhor Roteiro – Faustón da Silva (A Margem Do Universo)
Melhor Fotografia – Gustavo Serrate (A Margem Do Universo)
Melhor Montagem – Yan Motta (Cor de Pele)
Melhor Edição de Som – Jack Moraes (#Procuram-se Mulheres)
Melhor Direção de Arte – Helga Queiroz (Casa Cheia)
Melhor Trilha Sonora – Bruno Vieira Brixel (Vivi Lobo e o Quarto Mágico)
Melhor Ator –  Felipe Kannenberg (A Pedra)
Melhor Atriz – Petra Sunjo (A Margem Do Universo)

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS
Melhor Filme – Espero Tua (Re)Volta
Júri Popular – Abraço
Prêmio especial do Júri – Vidas Descartáveis
Menção honrosa – atrizes Izabel Santos e Rita Maia, do filme Abraço
Melhor Direção – Marcelo R. Faria e Rafael Moura (Teoria do Ímpeto)
Melhor Roteiro – Eliza Capai (Espero Tua (Re)Volta)
Melhor Fotografia – André Carvalheira – Xará (Teoria Do Ímpeto)
Melhor Montagem – Eliza Capai e Yuri Amaral (Espero Tua (Re)Volta)
Melhor Edição de Som – Simone Petrillo e Cristiano Scherer (O Corpo é Nosso)
Melhor Direção de Arte – Patrícia Nunes (Um e Oitenta e Seis Avos)
Melhor Trilha Sonora – André Abujamira e Eron Guarnieri (Abraço)
Melhor Ator – Adriano Barroso (Teoria Do Ímpeto)
Melhor Atriz – Giuliana Maria (Abraço)
Melhor Ator Coadjuvante – Pablo Magalhães (Teoria do Ímpeto)
Melhor Atriz Coadjuvante – Débora Duarte (Um e Oitenta e Seis Avos)