França campeã da Copa, a festa da farsa

France Migrants

Chegou o fim da Copa do Mundo mais garfada de todos os tempos. O juiz virtual, o VAR (video assistence referee) garantiu que o título desta Copa ficasse nas mãos dos europeus, mas não de qualquer europeu, mas a França, a supostamente democrática França, o time cheio de negros de um país que trata o imigrante feito lixo.

O Brasil, time, de fato, de negros e mestiços, não foi defendido em momento algum pela imprensa burguesa e internacional. Outros times negros nem conseguiram sair da fase de classificação, como é o caso dos times africanos, que, pela primeira vez, não passaram, nem um único time, para as oitavas de final. A copa não estava para os irmãos.

Eis que, diante da fraude geral do VAR, chamado especialmente e às pressas para salvar os grandes times europeus, foram fazendo o caminho da França, para que ela chegasse à final com uma aguerrida Croácia.

Tentaram pixar a Croácia como time de fascista, de nazistas. Mas os povos oprimidos de todo o mundo sabem que era na França que estava representado a opressão do imperialismo. Foi a França que trucidou, pelo menos, 20 países africanos, entre eles a Argélia, onde se deu um dos maiores massacres dos imperialistas no continente negro, além de Camarões, Madagascar, Senegal, Burkina Faso, todos pisoteados pelo imperialismo francês. Isso sem mencionar outros países de outros continentes onde os franceses estiveram como é o caso do Haiti, onde Toussaint Loverture liderou a primeira revolta e libertação dos escravos das Américas contra os franceses.

Não é difícil imaginar, com isso, a quantidade de negros que torceram pela totalmente branca Croácia contra a “mutliracial” França. 

A França não tem democracia racial, nem miscigenação, tanto que o time tem negros e brancos, apenas. Não existe meio termo, como no caso brasileiro e de outros países. Lá, o futebol é o único lugar onde se vê negros e brancos ocupando os mesmos postos, talvez com os mesmos salários.

Para fechar com chave de ouro, a democracia francesa resolveu prender centenas de franceses que faziam festa nas ruas do país. Baixou o sarrafo em todo o povo que estava em festa na rua por conta da vitória na Copa, e isso enquanto Macron beijava Mbappe. E depois os fascistas eram os croatas…

Mas como foi a copa da farsa, do VAR, nada mais farsesco que um time ruim ganhar a Copa do Mundo e um time de um país atroz com os imigrantes receber o prêmio de democracia racial, com um time traficado, um time “francês”. A direita francesa nem sequer reconhece o título de 1998, menos ainda este de 2018.

Essa armação toda em cima da Copa do Mundo faz a saída do Brasil menos dolorosa, pois o time precisou enfrentar a imprensa nacional, de esquerda e de direita, os donos do esquema (VAR), a brutalidade do futebol europeu, agora medido em quilos, e a imprensa internacional. Não cair diante desse esquerda é muito difícil, é preciso mais que futebol, é preciso vencer por 10 x 0 para sair com um placar de 2 x 1.

Isso sem falar na campanha baixa e criminosa contra Neymar (campanha que até agora não terminou), o melhor jogador do mundo na atualidade, sem sombra de dúvidas. Negro e brasileiro, mas ninguém liga, querem que a gente se sinta como lixo. Querem nos fazer engolir as tranqueiras europeias, de dois metros de altura e cem quilos, que precisam do juiz virtual para ganhar jogos.

Nada de novo no esquema truculento do imperialismo. Se dão golpe de Estado em centenas de países, massacram, torturam e matam povos inteiros, levar a Copa do mundo na “mão grande” não é nenhuma novidade.