Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
doc_olavo
|

A propaganda golpista ganha mais uma peça com o suposto filme “1964 – Entre armas e livros”, uma produção, supostamente independente, que trás uma versão completamente distorcida da ditadura militar brasileira.

A tal produção independente alugou salas da rede Cinemark para exibir o filme, mas a rede se arrependeu, ou foi uma jogada casada, o resultado é que a produtora do filme, um canal chamado Brasil Paralelo, se aproveitou da situação para se fazer de vítima e iniciar uma campanha de propaganda extremamente agresssiva para divulgar o filme.  A propaganda do filme seguiu o exemplo da bem sucedida Betina e comprou espaço ostensivo nos vídeos que aparecem no youtube. O resultado foi mais de 4 milhões de visualizações no youtube o que está sendo usado para dizer que o filme é popular, mas caberia saber se algo parecido aconteceria nas bilheterias do cinema, pouco provável, não é possível colocar robôs em frente ao telão das salas.

Já em relação ao filme pró-golpe, ou o filme do Instituto Millenium ou ainda o filme dos Olavetes a situação é crítica. Do ponto de vista estético, cinematográfico, é um filme extremamente formal e pouco interessante de se assistir, quem tiver estômago, assiste, mas não cria interessante nenhum em uma revisão.

Mas o que de fato vale não é a forma, mas o conteúdo. Ele foi apresentado como algo inovador sobre a ditadura brasileira, a verdade que nunca foi dita, nunca foi revelada, sempre escondida, uma nova versão dos fatos etc. Mas não passa de uma colcha de retalhos de tudo que a direita fascista, que defende a ditadura, já disse inúmeras vezes.  Em pouco mais de duas horas de filme, aparecem todas as teses já bastante mastigadas da direita golpista: não houve golpe, os militares tomaram o poder respondendo a um movimento cívico, o Brasil sofria uma ameaça comunista, não houve tortura, as mortes não foram tantas quantas as apresentadas, havia uma guerra entre exército e guerrilheiros, o que houve foi uma revolução e por aí vai.    

Entre os “ilustres” entrevistados somente figuras da extrema-direita, como Olavo de Carvalho e os “intelectuais” do Instituto Millenium, Luiz Felipe Pondé, William Waack, Flavio Morgenstein entre outros. Muito achismo, muito diz que me diz e muita falsificação da história. Duas que merecem destaque é a afirmação categórica de Olavo de Carvalho de que o golpe de 1964 não teve nenhuma participação da CIA, a agência de golpes dos EUA. O problema do documentário é deixar essa teoria ser apresentada pelo Olavo de Carvalho, credibilidade zero. E pior! A falsificação aqui é gritante já que existem documentos oficiais da própria CIA assumindo a participação no golpe militar de 1964.

A outra é apresentar os mortos e torturados pela ditadura como um número superestimado e inventar que os desaparecidos na verdade eram militantes que se auto-exilaram do Brasil ou que delataram companheiros e que mudaram de identidade para se proteger dos “terroristas”.

Para livrar o regime militar de um governo de terror contra o povo o filme apresenta a tese de que havia uma igualdade de condições entre militares e grupos armados. Em determinado trecho diz: “…foi nesse ambiente de guerra que psicopatas, torturadores e criminosos de ambos os lados se valiam para praticar suas perversidades em nome de uma causa ou de outra (…) A guerra travada por terroristas expandia justificativas para a repressão por parte do Exército. Do outro lado, permitia que o movimento estudantil usasse os mortos em combate para construir a ideia de que a tortura era uma política de estado, fazendo dessa bandeira seu instrumento político e sua publicidade.”. Ou seja, a tortura e o assassinato em massa eram praticados por todos.

O mais cínico é que os produtores, o tal independente, Brasil Paralelo, que já recebeu apoio público de Bolsonaro, e que teve divulgação garantida em órgãos da imprensa golpistas como em programas da Jovem Pan e no programa de Danilo Gentili do SBT, se apresentam como imparciais e apenas interessados em mostrar a verdade, deles. No documentário um dos entrevistados chega a elogiar o ditador Médici como sendo sempre aclamado pelo povo por onde passava.

Um detalhe importante é que o filme além justificar a ditadura brasileira, ou como eles apresentam, revolução de 1964, faz parte de um curso que o Brasil Paralelo está oferecendo a incautos. E que os palestrantes deste curso são os mesmos que aparecem no documentário, muito conveniente.

O documentário é para consumo interno, é para os coxinhas terem algum argumento, mesmo que sem parâmetro na realidade, para usarem contra o povo, exaltando a ditadura sem dizer que é ditadura, pedindo a volta da tortura, das perseguições políticas, da pilhagem do país, sem dizer que é golpe, que é entrega do patrimônio nacional. É um movimento cívico.

Mas a pergunta que não quer calar sobre “1964 – Entre armas e livros”, é qual o sentido deste título? Onde entra os livros no filme? Não vi!  

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas