Extrema direita
O incentivo de Bolsonaro a evangelização dos indígenas está ligada ao enfraquecimento do seu movimento de luta e à entrega de suas terras aos latifundiários.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
indigenas batizado (1)
Indígenas Xavantes batizados por pastor evangélico: Foto: BBC News Brasil. |

Recentemente, o fascista Jair Bolsonaro com apoio do golpista ministro da justiça Sérgio Moro e do presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), o delegado da Polícia Federal Marcelo Augusto Xavier da Silva, indicaram o missionário evangélico Ricardo Lopes Dias para chefiar a Coordenação Geral de Índios Isolados e de Recente Contato (CGIIRC).

Ricardo Lopes Dias foi missionário na Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB) por mais de dez anos e atuou em diversos estados do país. Uma característica que chama a atenção e reforça o que vamos discutir neste artigo é que a MNTB tem sua origem nos EUA e que atua e promove a evangelização de indígenas brasileiros desde os anos 1950.

Todos sabem que uma das principais bases de apoio a Bolsonaro são os evangélicos e que em suas visitas aos EUA teve encontros com diversos pastores e lideranças evangélicas com muito poder nos EUA e financiadas para entrar nos países latino-americanos, deixando evidente que essas igrejas não passam de fachada a intervenção do imperialismo norte-americano nestes países.

Assim como nos EUA, no Brasil a cúpula das igrejas evangélicas estão dominadas por elementos da extrema direita que apoiaram e fizeram campanha Bolsonaro. Silas Malafaia, Edir Macedo, Valdomiro Santiago e tantos outros, contam com apoio de parlamentares, no estilo de Magno Malta, Eduardo Cunha e cada um com a “sua” igreja avança sobre o movimento de trabalhadores e, neste caso, dentro das terras indígenas.

Na Bolívia fica ainda mais claro, pois o golpe dado no indígena Evo Morales, Jeanine Añez é uma evangélica fervorosa e, juntamente com Luis Fernando Camacho, outro golpista articulador do golpe com a polícia boliviana, afirmou que “vamos tirar o Pachamama (Mãe Terra em referência aos indígenas) de lugares públicos e vamos impor a Bíblia”.

A evangelização dentro dos territórios indígenas não tem um objetivo diferente.

A indicação de elementos missionários na Funai e outros ministérios e secretarias de apoio aos indígenas vem num momento em que os povos indígenas sofrem os maiores ataques da direita. Há projetos de abertura de terras indígenas para o agronegócio e a mineração, devolução de 17 processos de demarcação de terras indígenas realizadas pelo golpista Moro, e em resposta a essa política uma enorme resistência dos povos indígenas.

Não é por acaso que há relatos de diversos conflitos entre indígenas evangélicos e não evangélicos em áreas de conflito com latifundiários, como no caso do Mato Grosso do Sul, e de outras regiões.

Por isso o governo Bolsonaro, que é um capachos dos EUA e quer acabar com as terras indígenas, está incentivando a entrada de evangélicos dentro das terras indígenas com o intuito de gerar conflitos entre os indígenas, dividir a comunidade e enfraquecer a luta contra a política em favor dos latifundiários e mineradoras internacionais colocada em prática pela direita no governo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas