O governo Bolosnoaro não é um governo Constitucional

bolso_mil
Enquanto a esquerda pequeno-burguesa fica eufórica com as declarações extremamente absurdas, ignorantes e folclóricas da corja de ministros do governo Bolsonaro como a ministra pastora Damares, questões mais importantes e que atacam diretamente a classe operária são ignoradas.
Enquanto a Damares brinca de professora de Jardim de Infância, o governo Bolsonaro está colocando em marcha uma série de ataques contra toda a população trabalhadora brasileira.
Com essa certa passividade da esquerda ou da chamada oposição a estas questões importantes, o governo Bolsonaro, mesmo com certa dificuldade é apresentado com um simples governo que foi eleito democraticamente e que está apenas encaminhando medidas, ou seja, que seria um governo Constitucional, ou seja, um governo que atua dentro da Constituição, sob às leis. Isso é falso e precisa ser denunciado.
O governo Bolsonaro é um governo controlado de fora para dentro. Está dominado pelo exército, com uma grande participação de figuras do alto comando como o general Augusto Heleno, o general Hamilton Mourão e tem o aval do comandante chega, general Villas Boas. Não é um governo democrático.
Outra figura sinistra do governo Bolsonaro é o ministro da “Lava Jato”, o ex-juiz Sérgio Moro. Ele é uma pessoa extremamente perigosa, dá poucas declarações, mas está em um cargo estratégico para atacar as organizações operárias e viabilizar as medidas completamente impopulares contra os direitos dos trabalhadores.
É preciso lembrar que Sérgio Moro é o campeão das arbitrariedades, ele colocou Lula na cadeia sem provas e promoveu um festival de medidas anticonstitucionais. É um agente imperialista em um cargo importantíssimo no governo brasileiro.
O governo Bolsonaro é um governo perigoso para a classe operária brasileira e deve ser encarado desta forma e não como um governo folclórico e constitucional. É um governo ilegítimo, eleito pela fraude, eleito porque o principal candidato, Lula, não concorreu. É um governo golpista, a continuidade do governo Temer e como tal deve ser expulso por meio da mobilização da população pobre e dos trabalhadores.