Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Antônio Carlos Silva

Sobre o Toninho

Militante do Partido da Causa Operária (PCO) desde as suas origens. Membro do Comitê Central do Partido, secretário Sindical e coordenador da Corrente Nacional Sindical Causa Operária.

Professor do Ensino Público do Estado de São Paulo, atua na oposição da Apeoesp.

Foi candidato a diversos cargos pelo PCO em eleições regionais e nacionais, levando a propaganda revolucionária às grandes massas.

Participa do conselho editorial do Jornal Causa Operária, do qual é colunista.

Apresenta os programas Resumo do Dia e Resumo da Semana, na Causa Operária TV. Também é âncora do programa Comando de Greve.

Fora a direita dos atos

Querem desmoralizar e derrotar o ‘fora Bolsonaro’

Abaixo a infiltração de políticos e organizações golpistas e fascistas nas mobilizações dos trabalhadores e da juventude e de suas organizações de luta e da esquerda

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O protocolo do “super pedido” de impeachment do presidente ilegítimo e genocida, Jair Bolsonaro, o 121º entregue na Câmara dos Deputados, com a participação de políticos de direita, ex-aliados de Bolsonaro e figuras de proa da campanha golpista, aponta para um caminho oposto ao das mobilizações que estão levando centenas de milhares às ruas de todo o País.

O evento não teve maiores significados concretos no que diz respeito às dezenas de pedidos de impeachment que “mofam” há mais de um ano na Câmara. Apenas marcou o avanço da operação direitista para bloquear as mobilizações e procurar direcionar o movimento para o apoio às manobras no Congresso e noutras instituições falidas do regime golpista que, sob o comando da direita, visam uma “saída” para a crise que não seja a vitória dos trabalhadores, que não seja a derrubada de Bolsonaro e de todos os golpistas.

A grande “vitória” da apresentação do “superperdido”, nesse sentido, foi da direita. Conseguiram um feito importante ao comprometer os partidos de esquerda (PT, PCdoB, PSOL, PSTU, PCB e UP) com criminosos políticos e golpistas, como os deputados Joice Hasselmann (PSL-SP), Kim Kataguiri (DEM-SP), representando o grupo fascista MBL, e Alexandre Frota (ex-PSL e hoje no PSDB) que, juntos, assinaram o documento.

Para as fotos publicadas na imprensa burguesa, se “aglomeraram” e posaram lado a lado a extrema direita, a direita tradicional (e sem voto) e representantes (ou que dizem representar) dos trabalhadores, estudantes etc. Foi um grave erro dos dirigentes das organizações co-responsáveis pela mobilização de rua pela derrubada do governo, particularmente os gigantescos atos de 29 de maio e 19 de junho. Esses atos apontaram o caminho para derrubar Bolsonaro; intensificaram a crise do governo e de todo regime político porque os explorados e suas organizações apareceram na cena política como protagonistas, defendendo as suas reivindicações diante dos mortos na pandemia, da fome e do desemprego, não apenas contra o presidente e seu governo, mas  contra toda a direita, o regime golpista, por vacina, auxílio emergencial de verdade e outras reivindicações dos trabalhadores neste momento. 

Os inimigos do povo que assinam junto com a esquerda o impeachment, são os mesmos que votaram pela deposição de Dilma Rousseff, a favor das reformas trabalhista e da Previdência, que apoiaram explicitamente a eleição fraudulenta de Bolsonaro e fizeram campanha pela prisão criminosa do ex-presidente Lula. O que querem, ao conseguir colocar um setor importante da esquerda a reboque de uma mera manobra parlamentar, é limpar a própria barra. A presença desses direitistas no “superpedido” não lhes dá licença para atuarem como um cavalo de Tróia no movimento popular, mas tudo indica que farão a tentativa mesmo assim. 

Isso tudo é a chamada frente ampla que conduz apenas à derrota da mobilização, à desmoralização do movimento. É uma política oposta à de levar o povo às ruas para derrubar o governo e ter uma mudança efetiva em favor dos trabalhadores, política que tem se mostrado poderosa.

É preciso aprender das derrotas dos últimos anos. Esse tipo de articulação ocorreu nas Diretas Já, que foi tomada por setores direitistas e resultou na eleição do que havia de pior na política brasileira, ex-presidente do PDS – partido da ditadura militar-, José Sarney, como primeiro civil presidente da República depois da ditadura que durou 21 anos. O mesmo aconteceu no “Fora Collor”: a mobilização iniciada por estudantes e que ganhou o apoio dos trabalhadores, defendeu novas eleições com a possibilidade de eleger Lula, mas resultou num acordo da esquerda parlamentar com a direita reacionária, neoliberal, que depois de Itamar Franco (PMDB) resultou no golpe da eleição de Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, para promover o maior processo de destruição da economia nacional, de privatização, fome e miséria do País.

No dia 30 realizado após a entrega do “superimpeachment”, companheiros do PCO e dos comitês de luta em Brasília levaram faixas contra a presença desses elementos da direita no movimento. Farão isso nas próximas manifestações em todo o País. A imprensa que não mostrou o protesto, disse que o PCO assinou o impeachment, o que não é verdade e foi devidamente desmentindo por nós. O partido já assinou outro pedido com o PT, a CUT, MST, mas jamais participaria dessa farsa.

É preciso rejeitar essa política de aliança com a direita, reorganizar o movimento numa perspectiva de luta, buscar uma ampliação da mobilização, o que é o oposto de se juntar com quem busca a sua derrota. É preciso trazer para a rua os sindicatos, mobilizar nas fábricas, organizar nos atos colunas de metalúrgicos, petroleiros, trabalhadores dos Correios, das estatais que lutam contra a privatização etc., coisa que a esquerda tão interessada em sair na foto com a direita não tem feito um esforço real e fazer. É preciso reverter essa situação democratizando o movimento, ampliando a participação de quem queira lutar por meio de plenárias e assembleias públicas para discutir as duas políticas que estão em jogo: uma de aliança com a direita, que leva à derrota do movimento, e outra, que leva a intensificar a frente de luta com os setores explorados e é capaz de efetivamente derrotar Bolsonaro e toda direita golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.