Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Antônio Carlos Silva

Sobre o Toninho

Militante do Partido da Causa Operária (PCO) desde as suas origens. Membro do Comitê Central do Partido, secretário Sindical e coordenador da Corrente Nacional Sindical Causa Operária.

Professor do Ensino Público do Estado de São Paulo, atua na oposição da Apeoesp.

Foi candidato a diversos cargos pelo PCO em eleições regionais e nacionais, levando a propaganda revolucionária às grandes massas.

Participa do conselho editorial do Jornal Causa Operária, do qual é colunista.

Apresenta os programas Resumo do Dia e Resumo da Semana, na Causa Operária TV. Também é âncora do programa Comando de Greve.

Massacre e reação

Rio-Colômbia: a esquerda que apenas lamenta e a esquerda que luta

É preciso avançar na superação da política de conciliação, de frente ampla com a direita golpista e genocida, preconizada pelas direções da esquerda, e ganhar as ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Na última quinta-feira (5), a Polícia do Rio de Janeiro realizou o maior massacre policial da história da cidade. Em uma operação em um único bairro, Jacarezinho, fuzilou pelo menos 24 pessoas sob o velho e carcomido pretexto de combate ao tráfico de drogas.

Para justificar que havia passado por cima de uma inútil decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que só são cumpridas quando se trata de atentar contra os direitos democráticos do povo (como no caso da prisão ilegal de Lula), a Policia anunciou solenemente que se tratava de uma ação com o objetivo de “combater o aliciamento de crianças pelos traficantes de drogas”.  Assim, para “defender as criancinhas”, a Polícia que mais mata no Brasil, que tem recordes de assassinatos de crianças etc., entrou na Comunidade atirando, invadiu casas, executou pessoas nas frentes dessas mesmas crianças e espalhou o terror em um bairro operário onde vivem mais de 40 mil pessoas, em sua maioria negros. Coisa que obviamente nunca fez e não faria em um antro de marginais brancos, da burguesia ou da classe média carioca.

O episódio, infelizmente, não é uma “novidade” ou uma exceção, mas o modus operandi dos órgãos de repressão no Rio e em todo o País. Entraram para matar:

 “Tem uns meninos que estão encurralados na casa querendo se entregar e os policiais querem matar eles. Inclusive mataram um na nossa frente”

(relato de uma senhora que presenciou os acontecimentos a jornalista da Globo).

A situação se agravou nos últimos anos em meio ao regime golpista, com a Polícia matando uma média de cinco pessoas por dia, estimulada pela política fascista dos governos estadual e federal, dentre os quais mais de 75% são negros.  

O número anunciado de civis mortos no massacre de Jacarezinho, 24, é o mesmo do total de vítimas de uma semana de violenta repressão do governo direitista de Ivan Duque, contra a revolta do povo colombiano contra o genocídio constante a que vem sendo submetido em meio à pandemia (80 mil mortos), ao recorde de desemprego (mais de 20% da população) e aumento exponencial da fome e da miséria que atinge mais da metade dos 50 milhões de habitantes do País.

No país vizinho, desde as vésperas do 1º de Maio, o povo está rebelado contra a política do governo direitista, aliado de Bolsonaro, que massacra o povo pobre e suas lideranças em favor dos interesses do capital internacional, servindo de aríete do governo dos EUA na provocação contra a Venezuela, que tem 30 vezes menos casos de infecção por coronavírus que a Colômbia e 200 vezes menos que o Brasil, apesar do brutal embargo que sofre de todo imperialismo.

A combativa mobilização do povo colombiano passou por cima da orientação reacionária da esquerda e da burocracia sindical de não lutar e “ficar em casa”, obrigando o governo Duque a retirar do Congresso sua proposta de “reforma” tributária – de expropriação dos trabalhadores e da classe média – e a demitir o ministro da Fazenda, Alberto Carrasquilla.

No Rio, a imensa maioria da esquerda, como em todos os massacres anteriores e até mesmo diante da morte de seus militantes (como a vereadora Marielle, do PSOL) se opõe a realizar qualquer mobilização real contra os massacres e a miserável situação da maioria do povo e se dedica apenas a fazer demagogia eleitoral e pedir que o povo espere pelas eleições e vote nos candidatos que supostamente irão resolver tais problemas.

Na Colômbia, superando, ainda que com limitações, a desorientação conservadora da esquerda e da burocracia sindical, o povo explodiu. Foi às ruas e fez o governo recuar. E continua reagindo com bravura à repressão que vitimou centenas de companheiros colombianos nos últimos anos.

Essa esquerda que defende a “coragem de ser covarde” faz discursos e escreve textos na internet sobre os atos dos negros norte-americanos, mas por aqui prega que é hora de recuar e esperar passar a pandemia, “ficar em casas”; adotando uma política de paralisia que bloqueia, por hora, uma reação diante da ação genocida.

Na Colômbia, parte dos trabalhadores e da juventude chegaram à correta conclusão de que é preciso não apenas lutar contra os ataques do governo e sua violência como colocar abaixo o governo da direita, fazendo crescer o grito de “fora, Duque!”.

No Rio, no Brasil e em toda a América Latina, é preciso avançar na superação da política de conciliação, de frente ampla com a direita golpista e genocida, preconizada pela maioria das direções da esquerda, e ganhar as ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.