Menu da Rede

Rui Pimenta: “Doria pode ser o candidato principal da burguesia”

Joao Vitor Dauzaker

Joao Vitor Dauzaker

Redator e colunista do Diário Causa Operária. Dirigente do Partido da Causa Operária. Estudante de Letras na FFLCH-USP e coordenador nacional da Aliança da Juventude Revolucionária (AJR).

Contra o golpe

Juventude protesta contra golpe militar à revelia das direções

Juventude foi esmagada durante o regime militar

Invasão da Faculdade de Filosofia da USP, outubro de 1968. – Arquivo Brasil Nunca Mais.

Na última quarta-feira ocorreram dezenas de manifestações contra a ditadura militar de ontem e de hoje. De norte a sul milhares de pessoas se mobilizaram, foram às ruas, para não permitir a comemoração do regime militar brasileiro que se iniciou com o golpe de 1964, mas também se opor e reivindicar o fim do governo ilegítimo de Jair Bolsonaro.

Oficialmente, o único partido que aderiu ao chamado de atos nas ruas foi o PCO. A Aliança da Juventude Revolucionária (AJR), sua juventude, por sua vez, iniciou um processo de mobilização e convocação geral para os atos.

Os presentes nos atos devem ter reparado que a maior parte dos presentes eram jovens. Isso de forma geral comprova que a juventude é a parcela da população que é mais insatisfeita com a situação social atual, se manifesta, se rebela. 

No passado a situação era da mesma forma. As organizações que se opuseram ao regime militar eram formadas por muitos militantes jovens. Não foi por acaso a ditadura militar se preocupou em esmagar o movimento estudantil em todas as universidades brasileiras e também em destruir a União Nacional dos Estudantes (UNE). 

Na realidade, a perseguição e vigilância ao movimento estudantil se inicou muito antes do golpe de Estado propriamente dito, ocorrido no dia 31 de março para o dia 1º de abril. A vigilância já ocorria em anos anteriores para identificar e cortar a cabeça das organizações populares, políticas e estudantis que pudessem se opor ao golpe e desestabilizar o regime. 

Na Universidade de São Paulo (USP), a maior do Brasil e que possui importante movimento estudantil, sofreu bastante com o regime militar. Diversos órgãos foram criados nas universidades para se ter esse controle e perseguição. Na USP um órgão que ligava diretamente a Reitoria da Universidade ao DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) foi criado. Trata-se da Assessoria Especial de Segurança e Informação (AESI ).

A criação da AESI , data de 23 de maio de 1973 e foi formalmente comunicada em ofício distribuído a todos os ministérios militares, Polícia Federal, Polícia Militar, SNI, unidades do Exército em São Paulo e Dops. Seus documentos — que terão sempre a mesma rubrica a acompanhá- los— adotarão um padrão visual facilmente identificável: o timbre da Universidade de São Paulo/Reitoria, em sua abertura. E essa primeira comunicação prima pela simplicidade, mas também pelo conteúdo revelador:

“Esta assessoria acaba de completar sua instalação. É órgão que funciona diretamente junto à USP, mas se integra, também, na Divisão de Segurança e Informação do MEC, dentro do Plano Setorial de Informações. Solicitamos correspondência a AESI/USP- Reitoria Universidade de São Paulo, Gabinete do Reitor”

(trecho de O Controle Ideológico na USP (1964-1978), Adusp, 2004)

Durante a ditadura, 10% dos mortos e desaparecidos oficiais, isto é, os que foram reconhecidamente mortos pelo regime, eram ligados à USP. No entanto, é de conhecimento público que a ditadura assassinou muitos mais opositores do regime. Alguns anos atrás, por exemplo, foram encontradas ossadas em armários da Universidade de Brasília (UNB) que provavelmente são de mortos pelo regime e que foram escondidos na universidade mesmo.  

uspditadura1
Alunos da Escola de Comunicação e Artes da USP (ECA-USP) fichados pelo Dops. Imagem: Álbuns do Dops/Comissão da Verdade da USP

Na USP, a decisão de criar um órgão desse tipo partiu diretamente de seu reitor na época, Miguel Reale. Que em seguida colocou Krikor Tcherkesian como chefe do departamento, cidadão que mantinha contato regular e próximo com o Dops. 

A Comissão da Verdade da USP, por exemplo, provou essa ligação com documentos como o livro de entrada e saída do Dops, foto abaixo: 

Documento Controle de Entrada DEOPS Imagem Comissão da Verdade da USP Arquivo Público do Estado de SP

Ao longo do período militar a AESI produziu muitos informes que eram compartilhados com o Serviço Nacional de Informações, as Forças Armadas, o Dops e as polícias. 

Em outras universidades organismos similares foram criados. 

Neste período de nova ameaça militar, considero um escárnio que as organizações de juventude não respondam a altura a ameaça. A União Nacional dos Estudantes, em especial, demonstrou a sua completa falência. 

O presidente ilegítimo Jair Bolsonaro decidiu comemorar oficialmente o golpe militar neste último dia 31 de março. Isto é, comemorar os 21 anos de terror político contra a juventude brasileira. Essa ação não é uma mera comemoração, mas uma ameaça direta a todas as organizações estudantis e juvenis e movimentos de juventude.

A UNE, que em outro período foi duramente perseguida e esmagada, nada fez ou respondeu. É um absurdo que uma organização com a história que a UNE possui nada faça diante da situação colocada.

Dos militantes e ativistas que responderam o chamado dos comitês de luta e da AJR para os atos de rua uma parcela expressiva era juventude, que participaram a revelia de suas direções.

A UNE, sob o comando da UJS/PCdoB, está paralisada, mesmo diante das ameaças diretas que sofre por parte da direita e da extrema-direita nacional. Essa inação só será vencida pela sua reconstrução pela base, uma mobilização geral dos estudantes que passe por cima da burocracia estudantil e coloque as organizações dos estudantes em mobilização. 

O fascismo está nas ruas e deve se combatido nas ruas. Não devemos permitir que se repita o que ocorreu nos anos de terror político no Brasil. 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.