Rebeliões na Colômbia
Governo fascista da Colômbia “some” com presos, faz transferências ilegais, atira com armas de fogo e retira a água dos presos que organizaram rebeliões contra o coronavírus
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Presídio colombiano já tem dezenas de mortos. |

O governo fascista de Iván Duque pretende dizimar a população carcerária da Colômbia nesse período de coronavírus. A ditadura Colombiana, que já dura décadas e consegue se disfarçar de democracia através do respaldo dos EUA, tem feito transferências arbitrarias e retirado direitos humanos básicos, como o direito à água, dos presidiários.

Segundo organizações de defesa da população carcerária da Colômbia, cerca de 8 presos políticos simplesmente desapareceram do presídio. Esses presos eram membro das FARC, que assinaram em 2016 um acordo com o governo ditatorial da Colômbia na esperança de que o partido pudesse se institucionalizar e ganhar cadeiras no congresso, o que rendeu um prêmio Nobel da Paz para o então presidente Juan Manuel Santos. O acordo se mostrou completamente fajuto e, após deixar as armas, os guerrilheiros vêm sendo perseguidos e assassinados.

O país vive uma crise penitenciaria, já que os presos não aceitaram a morte certa imposta por Duque em sua política para combater o coronavírus (que na verdade é uma política em prol dos capitalistas, como a de Bolsonaro) e tem feito rebeliões no país. Como represália, o governo de extrema-direita cortou a água dos presídios, além de mandar a polícia utilizar armas de fogo contra a população.

A população carcerária também tem o direito à vida. Eles tem todo o direito de se manifestar e de tomar os presídios, já que o governo fascista pretende os levar à morte certa. É necessária uma ampla mobilização pedindo a liberdade dos presos para que o coronavírus não se espalhe dentro da população carcerária.

No Brasil, o governo Bolsonaro leva a mesma política de Duque, de dizimar a população carcerária. O país tem uma das maiores populações carcerárias do mundo, com muitas pessoas que nem chegaram a ir a julgamento estando presas. Portanto, é necessária uma ampla mobilização para a soltura dos presos não perigosos e daqueles que ainda não foram julgados, para que eles não venham a contrair a doença.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas