Mais uma propaganda eleitoral do PSDB para “combater” Bolsonaro

Anterior
Próximo

Greve Geral

Colômbia completa 1 mês de paralisação nacional com 60 mortos

A Colômbia vive um mês de greve geral, com manifestações ininterruptas em todo o país. A violência também não cessou.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Mobilizações continuam – Reprodução

Por Brasil de Fato

A Colômbia vive um mês de greve geral, com manifestações ininterruptas em todo o país. A violência também não cessou. Segundo o Instituto de Desenvolvimento da Paz (Indepaz), são 60 mortes decorrentes dos conflitos das forças policiais com manifestantes, sendo 43 causadas pela polícia. A organização não governamental Temblores oferece um levantamento com 3155 denúncias de violência policial, incluindo 1388 prisões arbitrárias, 46 manifestantes com lesões oculares e 22 estupros. 

De acordo com a Comissão Intereclesial de Justiça e Paz, também existem 120 manifestantes desaparecidos, que poderiam ter sido vítimas de tortura e qualquer forma de violência estatal. 

O comitê nacional de paralisação e o governo realizaram algumas rodadas de negociação e chegaram a um conjunto de pré-acordos, que incluem a garantia de realização de manifestações pacíficas e o controle da ação do Esquadrão Móvil Antidistúrbios (Esmad) – espécie de Bope colombiano. 

Em 30 dias, os movimentos sociais, sindicatos e entidades estudantis conseguiram derrotar dois projetos de reforma do governo de Iván Duque e gerar pressão para a renúncia de dois ministros. 

Os protestos começaram  no dia 28 de abril, condenando a reforma tributária proposta pelo Executivo colombiano, que aumentaria o imposto de valor agregado a 19%. Esse valor incidiria sobre todos os produtos da cesta básica alimentar. Derrotado o projeto, no dia 2 de maio, Alberto Carrasquilla renunciou ao cargo de ministro de Finanças. 

No entanto, as manifestações continuaram exigindo a suspensão do “paquetaço”, uma agenda de reformas de caráter liberal. Dessa maneira, no dia 19, foi arquivada a reforma da saúde, que dava maiores facilidades ao setor privado em detrimento da população atendida, justamente num momento em que a Colômbia atravessa uma crise sanitária pela covid-19.

Até o momento, são 3,29 milhões de casos e 86.180 falecidos pelo novo coronavírus no país, e foram aplicadas 8,6 milhões de doses de vacinas. Duque pediu aos países com fórmulas excedentes que “emprestem” imunizantes à Colômbia para acelerar a imunização nacional. 

771d76cbbe874c5dc3d03550ba7be866
Missão internacional de solidariedade conversa com organizações de base da Colômbia para reescrever um relatório sobre violação de direitos humanos / Reprodução / Twitter

Com o avanço das conquistas dos grevistas, o presidente decidiu militarizar as cidades que concentravam as maiores manifestações, como Bogotá e Cali. 

Diante da repercussão internacional negativa, a chanceler, Claudia Blum, também renunciou. A vice presidenta Marta Lucía Ramírez assumiu o cargo de ministra das Relações Exteriores, e sua primeira viagem ao exterior, nos dias 21 a 27 de maio, foi aos Estados Unidos, para reunir-se com representantes da Casa Branca, do partido Democrata e com o secretário geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro. 

De volta a Bogotá, Ramirez mudou a posição do governo, que decidiu permitir a entrada de uma equipe da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) para acompanhar as manifestações. 

“Já são 9.223 manifestações, destas, 7.800 sem incidentes, isso quer dizer que a grande maioria é pacífica. No entanto, existem casos de falecimentos, agressão sexual, desaparições. Tudo isso é informação oficial do Estado colombiano”, afirmou a presidenta da CIDH, Antonia Urrejola.

Desde a última terça-feira (25), uma missão internacional de solidariedade e observação de direitos humanos também está no país, entrevistando colombianos e acompanhando as atividades. A comitiva irá elaborar um relatório para organismos multilaterais.

2a039f470662783576adc05f637c02bb
Mesmo com vitórias, colombianos seguiram nas ruas denunciando a violência policial, que poderia ter vitimado 43 pessoas / Reprodução / Twitter

Violência estrutural

Mesmo com as vitórias, o povo colombiano não deixou as ruas, porque a brutalidade dos corpos de segurança nacional se intensifica e a violência se tornou algo estrutural no país. 

Somente neste ano, foram registrados 40 massacres, com 149 vítimas fatais, segundo Indepaz. Desde 2016, somam 1091 os líderes sociais assassinados. 

A bancada de oposição no Congresso chegou a defender uma moção de censura ao ministro de Defesa, Diego Molano, por considerá-lo responsável pelas mortes. No entanto, com maioria governista no Senado, a petição foi derrotada. 

Agora, Molano anunciou a criação de um grupo antibloqueio, que irá trabalhar para atuar em 25 pontos estratégicos da cidade de Cali, região do Pacífico colombiano, tratando de liberar a circulação em ruas que contenham barricadas ou atividades dos manifestantes. 

Para mudar o foco das ações das forças militares, representantes do governo colombiano reforçam a ideia de que os atos teriam sido promovidos desde o exterior. 

O diretor geral da polícia colombiana, general Jorge Luis Vargas, defende que a Venezuela estaria financiando as manifestações. 

Também acusam congressistas da oposição de canalizar recursos para os grevistas. A bancada governista solicitou à Corte Suprema de Justiça congelar as contas do senador Gustavo Bolívar (Lista da Decência), depois que o parlamentar compartilhou em suas redes sociais um link de uma “vaquinha” de coleta de fundos para equipamentos de segurança aos grevistas da linha de frente dos protestos. 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.