Siga o DCO nas redes sociais

Venezuela
Colecionador de fracassos, Guaidó convoca mobilização para seu retorno
O deputado Juan Guaidó, nomeado presidente da Venezuela por Donald Trump, anunciou em Miami que vai retornar ao país. O imperialismo está obcecado em derrubar o governo Maduro
Presidência do Senado
Venezuela
Colecionador de fracassos, Guaidó convoca mobilização para seu retorno
O deputado Juan Guaidó, nomeado presidente da Venezuela por Donald Trump, anunciou em Miami que vai retornar ao país. O imperialismo está obcecado em derrubar o governo Maduro
Golpista Juan Guaidó.
Presidência do Senado
Golpista Juan Guaidó.

Juan Guaidó, o deputado nomeado presidente da Venezuela por Donald Trump, anunciou neste sábado (01) em Miami uma “grande mobilização em Caracas” para seu retorno nos próximos dias.

O deputado estava em uma viagem internacional de duas semanas, quando passou por Colômbia, Europa, Canadá e o Estado americano da Flórida em busca de apoio para mais uma tentativa de golpe de Estado contra o governo Nicolás Maduro. As intentonas golpistas – fracassadas – lideradas por Guaidó buscam a articulação de um golpe militar e contam com apoio explícito do imperialismo mundial, em particular dos EUA.

O imperialismo está determinado a derrubar o governo Nicolás Maduro. Simultaneamente às tentativas de golpe militar, a Venezuela é alvo de bloqueios e sanções à sua economia, com congelamento de ativos da petroleira estatal PDVSA, infiltração de agentes dos serviços de inteligência estrangeiros, sabotagem econômica e uma guerra midiática permanente que visa desestabilizar o país.

Donald Trump já ameaçou invadir o país e posicionou navios de guerra próximos ao litoral venezuelano. Inclusive, o presidente dos EUA se propôs a emitir ordens para as Forças Armadas Nacionais Bolivarianas. No começo de 2019, com apoio do governo fascista de Jair Bolsonaro, foi tentada uma invasão.

Leia Também  Manifestantes fazem ato antifascista em Curitiba e PM reprime

O golpe de Estado na Venezuela, perseguido pela direita, visa derrubar o governo chavista e instalar um regime satélite do imperialismo, que implemente uma política do tipo neoliberal e alinhe a política externa de acordo com seus interesses, como é o caso dos governos golpistas do Brasil, Chile, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Colômbia e Peru.  O centro de toda a tentativa golpista é a apropriação pelas empresas estrangeiras da mais importante riqueza nacional, as bacias de petróleo.