Ataque à ciência
CNPq decretou o fim das bolsas de iniciação científica para ciências humanas ao publicar chamada para 25 mil bolsas de estudo em todo o pais excluindo estas áreas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tesoura cortando areas(1)
Cortes na educação e Ciência: Mais afetados são estudantes | Foto: Reprodução

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) decretou o fim das bolsas de iniciação científica para ciências humanas ao publicar uma chamada para 25 mil bolsas de estudo em todo o pais que exclui as áreas de Humanidades, Artes e Ciências Sociais. As bolsas são parte do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), e a partir de agora estão somente disponíveis para o que foi chamado de “tecnologias prioritárias”, que de acordo com a ADUnB, representa “temáticas tecnológicas, produtivas, do desenvolvimento sustentável e da qualidade de vida”. Bolsas direcionadas as ciências humanas só terão consideração alguma se estiverem diretamente ligadas a estas “tecnologias prioritárias”.

Em carta enviada pela Academia Brasileira de Ciências (ABC), em conjunto com a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), ao ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes (PSL), astronauta bolsonarista, é pedido que esta medida seja revogada:  “Se não há a possibilidade de uma formação de pesquisadores em todas áreas e temas, o que será do futuro da ciência brasileira?”. O futuro da ciência brasileira segue caindo no abismo desde seu pico de investimento, e agora se vê mais perto da extinção do que nunca.

Para Jacques de Novion, vice-presidente da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB), a medida “é uma evidência da atuação e da estratégia política desse governo, que trata a pandemia de forma leviana mas se utiliza dela para avançar, de forma sórdida, com o seu ultra-neoliberalismo, e com a destruição da educação pública e da Ciência e Tecnologia (…) Só um governo inconsequente ignora a importância das diversas áreas do conhecimento e sua relação transversal na produção científica e de inovações em temas comuns”.

Esse sucateamento das instituições de ciência no brasil é fruto do golpe dado contra a presidenta eleita Dilma Rousseff (PT) em 2016, que mesmo durante seu mandato já via pressões contra o investimento na Ciência. De 2014 até 2019, de acordo com pesquisa acerca do orçamento do FNDCT e do CNPq, da Siop, o País foi de investimentos de mais R$ 2 bilhões anuais para menos de R$ 1 bilhão apenas no CNPq. Sem contar que de 2015 para 2019 há uma discrepância imensa entre os investimentos projetados e os liquidados (efetivamente usados).

Para impedir que a ciência no Brasil seja freada com contínuos cortes de verbas e privatizações na educação, é preciso acabar com o governo Bolsonaro. Não há eleição que resolverá este problema. As categorias dos estudantes, que serão os mais afetados por essa medida golpista e ditatorial, precisam se mobilizar em massa para barrar os ataques dos golpistas contra a ciência e a educação.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas