A serviço dos opressores
CNBB utiliza caso de violência contra criança para atacar a luta das mulheres pelo direito ao abordo, classificando-o como crime hediondo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
retrato-de-dom-walmor-de-oliveira-novo-presidente-da-cnbb-conferencia-nacional-dos-bispos-do-brasil-1559943493384_v2_1920x1281
Bispo Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da CNBB | Imagem: Alexandre Rezende / UOL

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, condenou como crime hediondo o aborto legal realizado em uma criança de dez anos vítima de estupro. O caso chocou o País e enquanto a população em geral apoiava a medida de saúde adotada, a interrupção da gravidez da criança, a extrema-direita utilizou-o como cavalo de batalha para a sua luta contra o direito das mulheres, mesmo o limitadíssimo direito ao aborto previsto na legislação.

Em mensagem publicada nesta segunda-feira (17), o líder religioso da CNBB juntou-se a horda fascista contra os direitos das mulheres, sob o cínico argumento de defesa da vida.

Segundo o dom Walmor teriam ocorrido dois crimes hediondos: “A violência sexual é terrível, mas a violência do aborto não se explica, diante de todos os recursos existentes e colocados à disposição para garantir a vida das duas crianças. As omissões, o silêncio e as vozes que se levantam a favor de tamanha violência exigem uma profunda reflexão sobre a concepção de ser humano”.

E ainda: “lamentável presenciar aqueles que representam a Lei e o Estado, com a missão de defender a vida, decidirem pela morte de uma criança de apenas cinco meses, cuja mãe é uma menina de dez anos”.

A posição do Bispo revela o caráter profundamente reacionário da Igreja Católica e que este permeia todas as instituições e organizações que a compõem ou que estão a ela relacionadas, mesmo as que apresentam-se como progressistas ou mais democráticas, como é o caso da CNBB.

Diante da defesa efetiva dos direitos democráticos, o véu progressista da CNBB vai ao chão, revelando assim sua verdadeira face, que é a doutrina reacionária, medieval, da Igreja Católica Apostólica Romana.

A Igreja Católica, na sociedade moderna é um dos baluartes do reacionarismo, das concepções pré-revolução francesa, pré-direitos democráticos, pelo menos do ponto de vista ideológicos, já que não possuem mais força para impor pela violência essa doutrina. A burguesia mundial saúda e impulsiona essa e outras ideologias reacionárias por ser ela uma classe social decadente; contra-revolucionária; reacionária, contra os direitos democráticos que no passado defendeu, mas que hoje se contrapõem a seus interesses.

Setores da esquerda que muitas vezes procuraram relacionar-se com a CNBB por considerá-la democrática devem sem dúvida cortar o cordão que as ligava, a frente-ampla que compunham com ela, está mais que provado que a CNBB não é uma instituição que defenda os interesses democráticos dos oprimidos e assim qualquer ação em comum só será realizada, da parte da instituição religiosa, se for para atender os interesses dos opressores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas