Clima fascista na Itália: fascista atirou em seis imigrantes negros por racismo

6474255_x720

Em fevereiro deste ano um fascista italiano atirou contra seis imigrantes negros em Macerata, no Centro da Itália. Felizmente as vítimas sobreviveram ao atentado, o agressor fascista Luca Traini, de 29 anos, foi preso. Nesta quarta-feira (03) durante o julgamento Traini pediu desculpas, ele sustenta que agiu influenciado pela campanha da imprensa capitalista.

O réu durante o julgamento disse: “Me desculpem, eu errei. Não tenho ódio racial, queria apenas fazer justiça pelo bombardeio de notícias  sobre o tráfico disseminado por causa da imigração”. Traini pode pegar 12 anos de prisão por massacre agraciado por ódio racial.

Para além das motivação subjetivas do fascista, um elemento deve ser destacado, o clima fascista que movimenta setores da população é criado e impulsionado pela imprensa capitalista tradicional, pela direita tradicional, pelos partidos burgueses tradicionais. O ato terrorista de Traini ocorreu após o assassinato de uma jovem Italiana de 18 anos, que foi encontrada esquartejada, o bárbaro crime serviu como cavalo de batalha da burguesia na luta contra os imigrantes. Imediatamente o crime foi ou atribuído, sem provas, pela imprensa tradicional e pela Polícia Italiana a “traficantes nigerianos”. O crime, tráfico, tudo se torna obra dos imigrantes negros, assim se alimenta o racismo, assim se alimenta o fascismo.

A burguesia tradicional, democrática, impulsiona o racismo e fortalece fascismo cotidianamente, a extrema-direita italiana que chegou ao poder é resultado da política e da campanha da imprensa e dos partidos democráticos tradicionais da burguesia italiana, diante da polarização existente.

A extrema direita é um expediente que a própria direita tradicional, dita democrática se utiliza para impor seus interesses ou para salvaguardar sua dominação. Diante da crise capitalista, da desmoralização do regime político burguês e dos partidos burgueses tradicionais, a burguesia não se furta em lançar-se na aventura fascista, totalitária, que ela mesma cria como uma possibilidade extrema para conter a revolução.

Evidentemente, que a ação dos fascistas individuais está relacionada com a direita tradicional dita democrática. Para lutar contra o fascismo, que hoje ronda diversos países do mundo, é  necessário lutar contra a direita tradicional dita democrática, querer juntar-se a ela para derrotar o fascismo é o mesmo que dar as costas para ser golpeado pelo seu pior inimigo.