Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
rodrigo maia
|

Uma declaração recente de Ciro Gomes à imprensa burguesa escancarou que ele quer “virar a página do golpe”. Segundo ele, o seu governo seria de “centro-esquerda” porque combinados partidos como o PC do B e o PSB e o DEM e o PP. Ou seja, para Ciro Gomes, o DEM não é o partido da ditadura militar e que comporta setores pró-imperialistas e da extrema-direita, mas sim um aliado.

Alguém ainda poderia argumentar que a aproximação com o DEM e o PP poderia indicar que há setores “progressistas” nesses partidos. No entanto, as pessoas desses partidos com quem Ciro mais tem conversado são justamente ACM Neto e Benjamin Steinbruch.

Após dar essa declaração que escancarou seu caráter golpista, Ciro Gomes nunca a desmentiu, ao contrário do que vem dizendo setores da esquerda abutre. Afinal, não teria porque desmentir: esse é e sempre foi seu plano: entregar o Brasil e a luta contra o golpe de bandeja para os Estados Unidos.

Como Ciro chegou até aqui?

A prisão de Lula, tão aguardada pela direita golpista, abriu o caminho para que uma setores abutres da esquerda nacional e da burguesia fizessem mil manobras para tentar descartar de vez a candidatura do ex-presidente. No entanto, a operação fraudulenta da burguesia não resolveu a crise eleitoral do regime golpista: Lula continua liderando disparado em todas as pesquisas e  direita não tem nenhum candidato que apresente qualquer chance de vencer as eleições.

A aposta da burguesia para tentar vencer as eleições sem realizar uma fraude muito descarada – como o cancelamento das eleições – é a candidatura de Ciro Gomes. Considerado pela imprensa burguesa como um candidato de “centro-esquerda”, Gomes voltou a ter uma vida pública bastante ativa durante e após o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Ciro Gomes, embora tenha feito vários discursos contra o impeachment, jamais lutou contra o golpe. Essencialmente um político carreiristas sem nenhum vínculo com o movimento operário, Ciro limitou sua “luta” a algumas entrevistas.

A letargia de Ciro Gomes durante o movimento de luta contra o golpe, no entanto, já era mais do que esperada. Afinal, Ciro Gomes não é e nunca foi alguém de esquerda, mas sim um ex-membro do partido da ditadura militar, fundador do PSDB e afiliado político do representante da Coca-Cola no Nordeste. Suas falas contra o golpe, assim, foi apenas uma forma de promover sua imagem perante um movimento altamente popular.

A máscara de Ciro Gomes já caiu há bastante tempo. Desde que seu nome foi colocado em evidência por causa de sua candidatura à presidência da República, uma série de informações e declarações do próprio Ciro ajudaram a esclarecer que ele não é um candidato anti-golpe, mas sim um candidato submisso aos golpistas e adversário do ex-presidente Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas