Ciro Gomes: “Eu não represento o PT nessa disputa”

download

“Eu não sou puxadinho do PT”, afirmou o pré candidato à presidência da república pelo PDT, Ciro Gomes, respondendo às críticas que vem recebendo por não ter estado em São Bernardo por ocasião da prisão de Lula, como fizeram Guilherme Boulos do PSOL e Manuela D´Ávila do PCdoB. Ciro tampouco foi visitar ainda o ex-presidente Lula, preso desde o dia 7 de abril em Curitiba, ou sequer manifestou claramente seu apoio; segundo disse: “sinceramente, eu não tenho compromisso firmado de estar ou ter que estar lá. Com quem? Eu tenho a minha candidatura, é algo diferente, eu não represento o PT nessa disputa”.

Na verdade, como observou Rui Pimenta em sua análise política semanal, Ciro Gomes é o principal candidato abutre da situação atual. Ao comentar que Lula “não é um preso político” ele revela ser avalista do golpe. Ele está falando, de fato, para a direita, se aproveitando da prisão do Lula em vista do sucesso eleitoral. Mesmo se anunciando em geral como um candidato “de esquerda” e nacionalista, Ciro Gomes está longe de corresponder a essa imagem. Ele chegou a dizer que protegeria Lula, caso ele viesse a ser preso, levando-o para uma embaixada, o que se revelou uma pura bravata desse candidato oportunista, que já pertenceu a inúmeros partidos como PDS, PMDB, PSDB na época do FHC, PPS, PSB, PROS e agora está no PDT.

As pessoas que lutam realmente contra o golpe devem ter claro quem é Ciro Gomes, desconfiando seriamente de seu suposto “esquerdismo”. O espaço oferecido pela imprensa golpista a esse candidato é, por si só, um índice de que a direita tem nele uma carta na manga para ser jogada a qualquer momento. Sem dúvida, Ciro é um candidato que representa a burguesia.

Para maiores informações acerca desse candidato “interpartidário”, e que se apresenta demagogicamente como dotado de grande saber técnico-administrativo, vale consultar a matéria deste Diário intitulada “Quem é Ciro Gomes”. No fim das contas, há que se compreender de uma vez por todas que, no atual contexto, a ideia de uma esquerda alternativa a Lula não passa de um engodo eleitoral.