Enchente, incêndio, que mais?
Observamos que a cinemateca vem sendo destruída por descaso dos governos da direita, desde que deram o golpe de estado em 2016
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
33701779628_0ecb0c5d5e_c (1)
Foto: Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cultura |

A cinemateca em enchente de fevereiro deste ano na unidade de Vila Leopoldina, São Paulo, teve ao menos 113 mil cópias de DVD destruídas. São cópias de curtas e longas metragens de várias épocas. A coleção foi criada entre 2007 e 20013 para difundir o cinema nacional em pontos fora do circuito comercial.

Foram danificadas obras como São Paulo S/A (1965) de Luís Sérgio Persons, Terra em Transe de Glauber Rocha (1967), O Homem do Sputnik (1959). E também obras recentes como DVD de Durval discos(2002), Anna Muylaert, e ainda, Houve uma vez dois verões (2002) de Jorge Furtado, mais obras de Carlos Manga e Marcelo Gomes dentre outros.

O projeto da cinemateca era a difusão do cinema enviando cópias aos centros culturais, escolas, universidades, cineclubes, espaços culturais administrados pelas prefeituras e outros. Em 2012 contavam com mais de 1800 pontos de exibição e atingiram cerca de meio milhão de espectadores, segundo relatório da instituição.

Em 2013, quando então Marta Suplicy era Ministra da Cultura, uma auditoria fez parar os repasses de verbas para a SAC (Sociedade Amigos da Cinemateca), que recebia repasses do governo e ainda exonerou o então diretor Carlos Magalhães. A partir desse momento a cinemateca começa a sofrer desmonte.

Ficou meses sem diretor, com quadro de funcionários reduzido e sem salários, e ainda o laboratório parado. Em 2016 sofre incêndio perdendo 731 títulos dos 44 mil guardados na cinemateca. Em 2018 no governo de Michel Temer, foi transferida para o grupo ACERP (Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto), através de contrato que venceu em dezembro de 2019. A partir de então vem sendo gerida por contrato emergencial.

Essas são as informações da matéria no sitio da Terra.com – BBC News Brasil em Londres, que as solicitou junto à instituição pela lei de acesso à informação.

Observamos que a cinemateca vem sendo destruída por descaso dos governos da direita, desde que deram o golpe de estado em 2013. Ela passou por enchentes, incêndios, abandono, e pelo visto não sairá do caos em que se encontra.

Sabemos que a política do fascismo é combater toda a cultura vigente na sociedade, e implantar a ideologia deles. Por isso foram queimadas pilhas de livros, e tantas obras de arte durante os governos fascistas de Hitler, Mussolini, Franco, Salazar, etc.

A política neoliberal trata de impor um estado mínimo, e dentre outras coisas, não investe em cultura, gerando o que aconteceu com a cinemateca, e foi o mesmo destino que teve a catedral de Notre Dame na França. O neoliberalismo não investe no social, mas investe pesado no sistema financeiro e grandes empresas para salvá-las da crise provocada por elas mesmo.

Agora o presidente indica a fascista Regina Duarte para ficar à frente da cinemateca. Ela não tinha força para o ministério da Cultura e agora vai fazer o quê com o destino da cinemateca que já se encontra em frangalhos:?

Seria a liquidação definitiva? É o mais provável, já que os nazistas não são adeptos de cultura e tem ódio ao povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas