Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
VENEZUELA-CARACAZO-ANNIVERSARY-MADURO
|

A Venezuela está sendo atacada pelo imperialismo na mais dura ofensiva já vista contra o chavismo. A ameaça é real de invasão do país, por isso a esquerda não pode pensar duas vezes em defender a Venezuela das garras dos monopólios imperialistas. A seguir, elaboramos uma lista de cinco motivos para defender a nação sul-americana:

  1. Os EUA querem invadir o País para roubar seus recursos naturais

A Venezuela tem as maiores reservas de petróleo do mundo e o imperialismo está disposto a fazer uma guerra, massacrando seu povo, para obter essas reservas para as grandes petrolíferas. A Petróleos de Venezuela (PDVSA) é a principal empresa venezuelana, e pertence ao Estado. O imperialismo sempre tentou tomar conta da companhia, mas os governos chavistas fortaleceram o controle do Estado sobre ela, inclusive investindo em sua filial nos EUA, a Citgo.

Uma das principais manobras golpistas para derrubar Nicolás Maduro tem sido a manipulação dos preços do petróleo pelo imperialismo, rebaixando os preços para afetar enormemente a economia venezuelana. Agora, nessa nova etapa, o golpista Juan Guaidó que se autoproclamou presidente da Venezuela (como um louco que diz que é Napoleão Bonaparte) disse que irá nomear seus próprios diretores da PDVSA e da Citgo, e prontamente o governo norte-americano bloqueou bilhões de dólares dessas empresas, que serão desviados para o governo ilegítimo, ilegal e paralelo de Guaidó.

Esta semana, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, afirmou que seria maravilhoso para as empresas imperialistas norte-americanas “desenvolverem o potencial petrolífero da Venezuela”, extraindo e refinando seu petróleo. Ou seja, roubar o petróleo do povo venezuelano para esses grandes monopólios. E, como sabemos, as grandes petrolíferas como a Chevron, a Exxon Mobil, a Shell, são algumas das principais promotoras de golpes de Estado há décadas, justamente para tomar conta dos recursos naturais dos países oprimidos.

2. O povo venezuelano apoia Maduro

Desde que Hugo Chávez chegou ao poder em 1999 foram realizadas 25 eleições, das quais os chavistas venceram 23, incluindo as duas que Maduro ganhou (2013 e 2018). Três partidos da oposição boicotaram a eleição do ano passado, e Maduro ganhou dos outros candidatos com 67% dos votos. Nessas eleições, foram realizados comícios chavistas por toda a Venezuela, nos quais o povo encheu as ruas em apoio a Maduro.

Além disso, todas as semanas o povo sai às ruas em defesa do governo, há anos. Nessa última segunda-feira (28), havia 300 mil pessoas nas principais avenidas de Barquisimeto em apoio a Maduro. No dia 23, quando a oposição organizou manifestações golpistas, calcula-se que três milhões de chavistas saíram às ruas de todo o país para mostrar que o povo está com Maduro. Obviamente, a imprensa cartelizada só mostrou as manifestações direitistas, e com muita manipulação.

  1. Se Maduro cair, o imperialismo vai destruir as organizações populares

    O povo venezuelano é o mais organizado da região, com milhares de comunas, sindicatos fortes, partidos de esquerda fortes, movimentos populares massivos, milícias armadas etc., que apoiam o governo. Para roubar os recursos da Venezuela, o imperialismo teria que, depois de derrubar o governo, impor um regime abertamente fascista para destruir toda essa organização, porque senão não conseguiria conquistar esses recursos. E acabar com a organização dos trabalhadores significa destruir décadas de luta do povo, que demoraria mais décadas para se recompor, sendo um duro e brutal ataque à revolução operária.

  2. Se a Venezuela cair, o imperialismo pode dominar todo o continente

    Com a queda de Maduro e a destruição da chamada “Revolução Bolivariana”, fica aberto o caminho para a derrubada dos governos de Bolívia, Nicarágua e até mesmo de Cuba, significando um retrocesso jamais visto para a esquerda latino-americana, e o continente ficaria dominado por completo pela extrema-direita, fortalecendo Bolsonaro e todo o imperialismo. Isso aprofundaria o regime de usurpação dos recursos latino-americanos, transformando o continente por completo em uma grande feitoria colonial para os norte-americanos, sendo toda a região governada por regimes cada vez mais direitistas e capachos do imperialismo.

  3. Se o povo venezuelano vencer, abre um novo capítulo de ascenso das massas para derrotar a direita

    São Paulo 18/03/2016 Ato em Defesa da Democracia na Avenida Paulista . Foto Paulo Pinto/Agencia PT

    No entanto, caso o povo venezuelano consiga vencer esse golpe, confiscando a burguesia e derrotando o imperialismo, isso vai dar um novo incentivo revolucionário para os povos da América Latina, as massas entrarão em movimento para derrotar os governos golpistas de extrema-direita, Bolsonaro ficará enfraquecido e em xeque com a ascensão do movimento operário brasileiro, e haverá a possibilidade de a burguesia e do imperialismo ficarem contra a parede, inclusive com a radicalização das massas num sentido revolucionário.

    Por todos esses motivos, a esquerda brasileira e latino-americana deve, imediatamente e sem vacilações, sair às ruas em manifestações de apoio à Venezuela e pelo Fora Imperialismo da América Latina. Até porque, como explicado acima, esse movimento também impulsiona o movimento geral de luta contra o golpe e contra o regime ilegítimo de Jair Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas