Menu da Rede

Região Sul registrou atos em mais de uma centena de cidades

Eles venceram em 2016

Cinco anos do golpe dos “democratas” e 500 mil mortos

A situação atual de enorme desgraça social para a imensa maioria da população não é mais do que produto do golpe de Estado aprovado pela direita que agora se disfarça de "centro"

Direita celebra o golpe na Câmara dos Deputados – Foto: Reprodução.

Publicidade

O País completou ontem cinco anos da aprovação pela Câmara dos Deputados do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), em 17 de abril de 2016. Em um ou dois dias deve ultrapassar a marca “oficial” – e super falsificada pelos governos – de 500.000 mortos na pandemia.

Não são coincidências. A situação atual de enorme desgraça social para a imensa maioria da população não é mais do que produto do golpe de Estado que aprofundou e acelerou a enorme decomposição social que o capitalismo em crise histórica impõe ao Brasil e a todo o Mundo.

Valendo-se do golpe, a direita “brasileira”, serviçal do imperialismo, impôs o congelamento dos gastos públicos por 20 anos, fazendo retroceder como nunca a saúde pública, como todas as demais áreas de interesse social. A devastação da economia nacional impulsionou a maior onda de demissões da história do País, que se somou à destruição da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) para gerar um retrocesso de décadas na situação da maioria da classe trabalhadora. A fome voltou em larga escala e já superou a da famigerada época dos governos neoliberais de FHC e toda a corja tucana.

A cada novo recorde de mortos, com a chegada da terceira onda, e com o aumento se cessar do sofrimento do povo, com a disparada do desemprego, da fome e da miséria fica ainda mais evidente que a crise não vai passar “naturalmente” e que as “saídas” da burguesia golpista não representam alternativa real para a imensa maioria do povo. Não pode sobrar dúvidas – e um número cada vez maior de pessoas está convencido disso – de que não há outra alternativa que não seja mobilizar milhões de pessoas, multiplicar a força das mobilizações para parar a mão assassina da direita nas ruas, pondo fim ao regime golpista iniciado como o golpe de Estado que levou à derrubada da presidenta Dilma Rousseff, em 2016, que nesta semana completou cinco anos da sua aprovação na Câmara dos Deputados, sob a direção das máfias políticas que hoje buscam se apresentar como “centro”, como o PSDB, MDB, DEM, PSD, Solidariedade etc.

Os golpistas de ontem, hoje não menos golpistas, se travestem de “democratas”, se rotulam de “centro” e até se chamam de progressistas. Mas suas marcas fatais estão gravadas na realidade nacional, no sofrimento do povo.

Eles nos venceram em 2016 e nos levaram ao retrocesso, ao caos, ao genocídio. É preciso e urgente derrotá-los. Todos eles não apenas a sua criatura, Bolsonaro. É preciso colocar para fora todos os golpistas.

Para tanto, é preciso fazer cada vez mais atos, cada vez maiores, opor a força do povo nas ruas, à força da direita e à mobilização minoritária (mas importante) da extrema direita, apoiada pelos militares, pelos setores mais decompostos da sociedade e, também pela burguesia para a consecução dos seus objetivos contra o povo, em uma situação de crise histórica do capitalismo no Brasil e no Mundo.

Para tanto, é preciso organizar o movimento, constituindo e fortalecendo  organizações populares capazes de impulsionar, e dar conteúdo à mobilização. 

Mais do que nunca, organizar o povo na luta contra Bolsonaro, os golpistas e o regime político de conjunto é decisivo; inclusive, para impedir (como se viu em 2013) que a direita se apodere das manifestações com sua política reacionária, com medidas de divisão e censura no interior do movimento, que levem à sua derrota.

Deixar para trás todo tipo de concepção reacionária que se abateu sobre o movimento em anos anteriores, originárias da direita e adotadas por setores da esquerda, como desviar mobilização para os eixos que interessam a setores da direita, como é o caso do “não vai ter Copa” e até mesmo a posição fascista de “sem partido” e “abaixa a bandeira”, ou seja, a tentativa de calar os setores organizados do movimento de luta dos explorados e o abandono da cor tradicional da luta dos explorados, o vermelho, para torná-lo mais palatável e passível de submissão por setores da direita. Aspectos que refletem a política de derrotas de submissão da luta do povo que dos que defendem a chamada frente ampla, a política de colaboração e capitulação diante da burguesia golpista e seus partidos.

Contra os cinco anos de golpe, contra o regime genocídio por ele implantado. Amanhã todos às ruas!

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.