Reação
Contra as ameaças do imperialismo norte-americano de subjugar o Irã, e em sua defesa, China, e Rússia se juntam em um grande reforço no Golfo Pérsico.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
destroier
Destroyer chinês de mísseis teleguiados. |

Com o objetivo de aprofundar a cooperação entre as Marinhas, o Ministério da Defesa chinês anunciou nesta quinta (26), que China, Irã e Rússia farão, em conjunto, exercícios navais no Oceano Índico e no Mar de Omã, com início já na sexta-feira (27), pretendendo seguir com manobras até a próxima segunda-feira (30).

O golfo de Omã é um local sensível por ser uma ligação com o estreito de Ormuz, alvo de recente crise entre os Estados Unidos, Irã e Reino Unido.

Segundo o porta-voz do ministério, Wu Qian, a China enviará o Xining, um destroyer de mísseis teleguiados. O exercício é “uma interação militar normal” entres as três Forças Armadas e está alinhado com a lei e as práticas internacionais, disse Wu.”Ele não está necessariamente conectado com a situação regional”,afirmou Wu, sem entrar em detalhes.

Por ser uma ligação com o estreito de Ormuz, o golfo de Omã é um local sensível, tendo sido alvo de recente crise entre os Estados Unidos, Irã e Reino Unido, quando as tensões cresceram no golfo Pérsico após o Irã capturar um petroleiro britânico, acusando sua tripulação de violar as regras de navegação. Semanas antes, um navio-tanque iraniano havia sido detido em Gibraltar sob a acusação de quebrar sanções contra a Síria.

O canal é um ponto frequente de conflito e já provocou tensão na relação com os EUA em anos anteriores, o que acabou deteriorando as relações entre os EUA e o Irã, agravadas desde abril/2019, quando os EUA voltaram a impor sanções ao país, proibindo efetivamente todas as exportações de petróleo iranianas.

As receitas obtidas com a venda de petróleo são vitais para a economia do Irã. Desde a volta das sanções dos EUA, as exportações iranianas do recurso caíram de 2,5 milhões de barris por dia para 800 mil.

Em 2018, os EUA anunciaram a saída do acordo nuclear assinado com o Irã três anos antes e determinaram a aplicação de novas restrições ao país. As medidas afetavam principalmente o setor energético e bancário.

À época, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, advertiu então que seu país poderia suspender o comércio pelo Estreito de Ormuz. Desde então, o potencial bloqueio do estreito ronda o Golfo Pérsico como um fantasma, e há o temor de que a escalada de tensão na região aumente.

De acordo com Richard Baffa, especialista em Irã da RAND Corporation, think tank (centro de pesquisa e debate) ligado às Forças Armadas americanas, cerca de 17,5 milhões de barris de petróleo bruto passam por ali todos os dias.

“O Golfo Pérsico é a principal zona de produção de petróleo do mundo. E Ormuz é o principal lugar no mundo por onde escoa o petróleo que é consumido em outros países.”

Para o Irã, diz ele, isso é uma vantagem estratégica. “O Irã domina esse estreito geograficamente e também tem a marinha mais forte atuando na região, à exceção da americana”, explica.

Por isso, as ameaças de fechamento feitas por Rouhani deixaram a comunidade internacional em alerta.

O especialista diz que uma situação semelhante ocorreu no fim da década de 1980, quando o Estreito foi fechado durante a guerra entre Irã e Iraque, o que culminou com uma operação do Comando Central militar dos EUA

Para evitar um bloqueio dessa natureza, a Marinha americana reativou, em 1995, sua Quinta Frota para vigiar as águas do Golfo Pérsico. Desde então, foram feitas sucessivas ameaças de fechar o estreito – em 2011, 2012 e 2016, quase sempre associadas à aprovação de sanções a Teerã por parte de Washington.

Irã é o ponto central de toda crise do Oriente Médio. Mesmo sendo um maiores países do Oriente Médio, não é um país árabe, aliás, é uma civilização muito mais antiga do que os árabes, os antigos persas.

Com um longo histórico de ser o centro de diversas crises políticas no Oriente Médio, principalmente por não abaixarem a cabeça para os EUA, como provou a Revolução Iraniana em 1979, quando os representantes do imperialismo foram derrubados, manobra que rendeu um período de choque com o imperialismo, principalmente o norte-americano, até hoje.

Os dois países mais importantes do Oriente Médio são o Irã e a Arábia Saudita, sendo esse, assim como Israel, frequentemente usada pelo imperialismo norte americano para ataques ao Irã, numa tentativa de desestabilizá-lo, e à qualquer empenho que faça de união dos países na região contra o controle contra o seu controle.

A Rússia, a exemplo do que acontecia na guerra fria, hoje se soma aos esforços também da China, e contrabalançam a ofensiva do imperialismo norte americano de atacar o Irã e dominar o Estreito de Omã, o que lhe daria uma vantagem estratégica importante sobre o controle energético no mundo, e um novo fôlego para suportar a enorme crise do capital.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas