Tensões na Ásia
A Lei de Segurança Nacional vigora em Hong Kong a partir de hoje
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
15018651007_28d0dac475_k (1)
Hong Kong é território chinês, mas o imperialismo quer para si | Foto: Whampoa Sports Club
A China alertou os Estados Unidos na terça-feira que responderá com as medidas necessárias para defender seus interesses diante de sua decisão de eliminar os benefícios para Hong Kong, porque uma lei de segurança nacional foi aprovada para o território sul.

 

Sem detalhar quais seriam as disposições, Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, disse a repórteres que a posição de Washington não impedirá Pequim de seguir em frente com a regra mencionada.

Dessa maneira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores falou depois que o Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, anunciou ontem a suspensão dos benefícios para a chamada Pérola do Oriente.

‘Os regulamentos do Departamento de Comércio que permitem tratamento preferencial para Hong Kong sobre a China, incluindo a disponibilidade de exceções às licenças de exportação, estão suspensos’, afirmou a manchete.

O presidente Donald Trump ordenou o início do processo para eliminar essa condição depois que a Assembléia Nacional do Povo Chinês (Parlamento), em 28 de maio, abriu o caminho para a lei de segurança nacional na chamada Pérola do Oriente.

Isso implicará a alteração dos acordos bilaterais que permitem a abolição de vistos, a manutenção de uma moeda indexada ao dólar e políticas comerciais favoráveis, tarifas e proteções comerciais.

Para Hong Kong, isso significaria receber o mesmo tratamento que o restante da China continental nessas áreas de comércio, investimento e imigração e, conseqüentemente, perder muitas vantagens que permitiram que se tornasse um centro financeiro de classe mundial como Londres e Nova York.

Anteriormente, a diretora executiva da região, Carrie Lam, garantiu que haverá um impacto menor na economia local devido à retirada do tratamento especial, uma vez que seu governo está preparado para enfrentar possíveis sanções.

Nesse sentido, ele citou, por exemplo, que grande parte do setor industrial mudou-se para a China continental, depois de enfatizar que a perda dos benefícios dos EUA não significa que Hong Kong não terá mais acesso a esse mercado, mas passará a estar sujeita a restrições e condições que o resto do país asiático possui em seu comércio exterior com Washington.

No entanto, ele lembrou aos Estados Unidos que a região administrativa especial contribui com uma média de US $ 30 bilhões para seu superávit anual – o mais alto entre seus parceiros – e está profundamente ligada aos interesses de suas empresas.

De acordo com a imprensa de Hong Kong, o Parlamento chinês na terça-feira deu luz verde à lei de segurança de Hong Kong em votação unânime e após o encerramento do segundo debate. Até o momento, não há nenhuma declaração oficial sobre o assunto, embora tenham circulado informações nos últimos dias sobre a aprovação do texto na terça-feira.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas