Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Avança uma onda direitista contra as mulheres em vários países da América Latina.  No Chile, no Brasil, na Colombia, e outro países estão ocorrendo uma série de ataque e retrocesso nos  direitos das mulheres conquistados anteriormente.

No Chile existe uma lei de 1874 que estabelece que o aborto é proibido em todos os casos. O aborto terapeutico foi permitido pelo Código de Saúde de 1931 mas abolido pelo regime militar no país, em 15 de setembro de 1989, com o argumento de que, devido aos avanços da medicina o aborto “não se justifica mais”. Antes da proibição, qualquer mulher cuja vida estava em perigo por causa da gravidez poderia solicitar o aborto caso fosse aprovada por dois médicos. Em março de 2016, a Câmara dos Deputados aprovou o aborto nas situações de inviabilidade do feto, estupro ou risco de morte para a mãe.

A imprensa golpista noticia que o governo do conservador Sebastián Piñera modificou o protocolo de aplicação da lei do aborto em três situações aprovada sob a administração de Michelle Bachelet, para facilitar que instituições privadas apelem à “objeção de consciência” e não pratiquem a interrupção da gravidez.

Através de um decreto emitido na sexta-feira – duas semanas após assumir o governo – o Ministério da Saúde eliminou um artigo que fazia alusão aos convênios do Estado com instituições de saúde privadas para a realização de abortos em caso de estupro, risco de vida para a mãe e inviabilidade fetal.

O protocolo anterior rescindia os convênios pactuados entre o Estado e aquelas instituições privadas que apelaram à objeção de consciência para não praticar os abortos.

O novo protocolo reduz também os requisitos exigidos às instituições, ao excluir a necessidade de justificar “com base em crenças, valores, ideários e a expressão da relação concreta entre aqueles e seus estatutos” a decisão de objetar.

Para organizações feministas e autoridades do governo de Bachelet, que promulgou a lei de aborto terapêutico em setembro do ano passado, a nova regulação representa um boicote à normativa.

“O novo protocolo para a aplicação da lei de aborto em três situações é um boicote ideológico e antidemocrático do governo atual, que busca por via administrativa frear uma lei que contou com apoio majoritário”, criticou a deputada do Partido Comunista Karol Cariola.

“Os padrões da lei estão sendo rebaixados”, afirmou Claudia Pascual, ministra do Serviço Nacional da Mulher do governo de Bachelet que, com a promulgação desta normativa, tirou o Chile do pequeno grupo de países em que a interrupção da gravidez não é permitida em nenhum caso.

No entanto, para o atual ministro da Saúde, Emilio Santelices, esta mudança de protocolo “busca corrigir uma distorção que o próprio regulamento introduzia ao estabelecer um vínculo (econômico) entre a atenção de qualquer índole e a objeção de consciência”.

A lei de aborto aprovada no Parlamento chileno estabeleceu a objeção de consciência “pessoal”, mas o Tribunal Constitucional – após uma petição de revisão da norma por parte de legisladores conservadores – a ampliou a toda uma instituição.

Seguimos sofrendo ataques dos regimes pró-imperialistas que querem a todo custo tirar direitos das mulheres e dos trabalhadores da América Latina.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas