0 Shares
Venezuela's self-proclaimed interim president Juan Guaido, Colombia's President Ivan Duque and Vice President Mike Pence, pose for a photo after a meeting of the Lima Group concerning Venezuela at the Foreign Ministry in Bogota, Colombia, Monday, Feb. 25, 2019. Pence's appearance before the Lima Group comes two days after a U.S.-backed effort to deliver humanitarian across the border from Colombia ended in violence. (AP Photo/Martin Mejia)
|

Em visita à Venezuela, o ministro de Assuntos Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, seguiu a cartilha de sabotagem do imperialismo e disse que a situação humanitária do país está em “degradação acelerada”. Não fosse o suficiente, nesta quinta-feira (25), Le Drian ainda reiterou o apoio de seu país ao golpista e lacaio dos EUA, líder da oposição Juan Guaidó em uma viagem pela América do Sul que será encerrada no Brasil.

Além da França, outros 50 países reconhecem – o golpista Juan Guaidó – como “presidente interino da Venezuela”, pressionando o governo Maduro – que goza de ampla base popular – no intuito de satisfazer as necessidades do imperialismo.

Le Drian felicitou os fantoches dos EUA na América Latina, mais conhecidos como Grupo de Lima, pedindo um “grande esforço” para que a Venezuela celebre eleições o mais breve possível, o que, de fato, abrirá as comportas para a articulação de uma nova tentativa de sabotagem por parte do imperialismo.

Diante de todos os ataques do imperialismo, é preciso dar apoio incondicional à Venezuela, denunciando todas as investidas e sabotagens que o país vem sofrendo. O apoio à Maduro é crucial para a disputa entre o imperialismo e as nações que lutam pelo fim da exploração dos países imperialistas que querem dizimar a economia dos países da América Latina para estancar a grande crise dos capitalistas internacionais.

Relacionadas