Salário vital já!
Em um período marcado por recessão, desemprego e empobrecimento, cesta básica aumenta mais de 23%, levando até mesmo o Dieese a defender salário mínimo próximo de R$5 mil
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cesta-básica
Carestia aflige trabalhadores, aumentando a pressão contra a população cada vez mais esmagada | Foto: Reprodução

A pesquisa mensal sobre a cesta básica, realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) no último dia 6 e tendo como base os levantamentos feitos no mês de setembro, apontam que a cesta básica subiu em todas as 17 capitais pesquisadas, elevando ainda o valor compreendido pela entidade como o que seria o mínimo vital, a equiparação do salário mínimo com os objetivos dispostos no artigo sétimo, inciso quarto da Constituição Federal, a saber:

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: (…)

IV –  salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim;

Exceto por Brasília, cuja variação do preço da cesta no período de 12 meses ficou em 6,13% (contra 2,44% da inflação oficial medida pelo IPCA), todas as capitais apresentaram um aumento de dois dígitos no custo da alimentação, com inflação média da cesta básica superando 23,65% durante o período. Sobre a variação no acumulado de 12 meses, há que se destacar ainda os casos de Goiânia, com mais de 30% de aumento, e Salvador, com 33,12%.

Florianópolis teve o maior o valor da cesta básica no levantamento do Dieese, R$582,40, compreendendo inacreditáveis 60,25% do salário mínimo. A variação mensal no preço foi de 9,8% e, no acumulado dos últimos 12 meses, 28,02%. Em segundo lugar entre as capitais com alimentação mais cara para os trabalhadores brasileiros, o Rio de Janeiro teve o valor médio da cesta em R$563,75, elevação de 6,42% em relação ao mês passado e 23,03% em setembro de 2019. Em terceiro lugar, a cidade de São Paulo registrou uma alta de mensal de 4,33% e 18,89% em relação ao mesmo período do ano passado, com a cesta básica custando R$563,35.

Com a atualização dos dados sobre a alimentação, o Dieese estipula o valor de R$4.892,75 como o mínimo vital capaz de cumprir o estabelecido pela norma constitucional. O valor vigente é de R$1.045,00, mais de 78% abaixo do necessário, entendido como tal não por uma Constituição elaborada por trabalhadores mas pelos grandes capitalistas.

Além da aprofundar a defasagem em relação ao mínimo vital, a carestia fez com a que cesta básica consuma, na média nacional, 51,22% do salário mínimo vigente. Esta média acaba sofrendo distorções consideráveis em razão das disparidades regionais, levando a cesta mais cara (Florianópolis) e a mais barata (R$422,31 em Natal) a apresentarem uma diferença de quase um terço.

O caso reforça a política de salário mínimo vital, defendida pelo PCO, que estabelece o salário vital em R$5 mil e chama a classe trabalhadora brasileira a lutar pela equiparação do mínimo vigente ao mínimo constitucional sem mais demoras, dado que o avanço galopante da carestia pode colocar até mesmo esse valor em defasagem com a dura realidade vivida pelas massas operárias do Brasil.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas