Entrevista
O Diário Causa Operária segue com sua série de entrevistas com os candidatos do Partido da Causa Operária nestas eleições municipais. Hoje, entrevistamos César Cataldo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
122830068_107626594473393_1558789035868476223_n
César Cataldo, candidato a vereador em Taquaritinga pelo PCO | Foto: DCO

O Diário Causa Operária segue com sua série de entrevistas com os candidatos do Partido da Causa Operária (PCO) nestas eleições municipais. Hoje, entrevistamos César Cataldo,candidato a vereador em Taquaritinga-SP.

Cataldo é estudante e trabalhador, sendo mais um dos inúmeros operários que representarão o PCO nestas eleições, levando o programa revolucionário do Partido para as amplas massas populares, agitando e mobilizando pelo Fora Bolsonaro e pelo direito do ex-presidente Lula ser o candidato da esquerda nas eleições de 2022, além de lutar por um governo operário e pelo socialismo.

DCO: Qual a situação da população pobre de Taquaritinga  com essa crise da pandemia, há fome por aí ?

César Cataldo: Taquaritinga é uma cidade muito pobre, uma cidade que tem pouco emprego. Praticamente tem indústria nenhuma, todos os trabalhadores de Taquaritinga dependem em grande medida do comércio da cidade, das lojas e também do trabalho rural que pega a cidade. Não sei dizer com toda certeza se há fome na cidade, mas é bem provável que haja fome porque a cidade sempre teve um grande índice de desemprego e agora, na pandemia, com toda certeza esse índice subiu bastante. Nós temos grandes bairro operários, grandes bairros dos trabalhadores, na maioria deles de população negra, e são bem pobres, a maioria desempregada, é bem provável que nesses lugares haja sim fome.

DCO: O povo está insatisfeito com as políticas mantidas pela burguesia local?

César Cataldo: Sim com toda certeza, a população de Taquaritinga está bem desacreditada com a política local da burguesia. Já praticamente não acredita mais no regime político, não acredita que essas eleições, por exemplo, possam fazer alguma coisa de diferente para melhorar a vida da população. A população não apresenta esse tipo de ilusão com as eleições municipais, pois a burguesia local vem mantendo a cidade, vem dominando a cidade há muito tempo e nunca apresentou nada para a população, a não ser retrocesso, destruição de emprego, fechamento das poucas fábricas que havia na cidade. A população local está bem desacreditada e bem raivosa até, com situação política e com a burguesia local.

DCO: Você participa de qual comitê de luta? E quais as ações do comitê?

César Cataldo: Eu participo do Comitê de Luta pelo Fora Bolsonaro aqui em Araraquara , local onde estudo. É um comitê que já tem algum tempo, foi criado pelos militantes do PCO junto com militantes de outros partidos da esquerda e também ativistas que desejam o Fora Bolsonaro. As atividades do comitê são basicamente a entrega de material e conversar com a população, explicando a necessidade da luta pelo Fora Bolsonaro, explicando a necessidade de se derrotar o governo como forma de derrotar o golpe de estado, assim como organizar atos. Nós organizamos vários atos na cidade de Araraquara, só durante a pandemia, se não me engano, foram 6 ou 7 atos que ocorreram aqui, é basicamente este o trabalho de entrega de materiais, conversa com a população explicando a luta pelo Fora Bolsonaro e a realização de atos.

DCO: Me fale de você, por que você entrou no PCO?

César Cataldo: Bom, após o golpe de estado eu fiquei muito perdido, eu não sabia muito bem o que fazer com a situação política se acirrando cada vez mais, os direitos trabalhistas sendo retirados, vários direitos da população sendo retirados. Eu entrei numa profunda angústia, porque realmente eu não sabia o que fazer, eu tinha na minha cabeça que não tinha mais como esse regime político continuar existindo, que não tinham mais como tentar por meio do voto colocar alguém no governo e simplesmente esperar para que aquela pessoa fizesse alguma coisa. Eu senti vontade de lutar, uma vontade muito grande, aí eu comecei a estudar letras, na época eu trabalhava, acabei voltando para a faculdade, comecei a fazer letras e acabei conhecendo a militância do PCO depois da eleição do Bolsonaro. Ai eu vi como a militância do PCO era engajada, como a militância continuava lutando enquanto a maioria dos outros partidos, para não falar todos, não fazia absolutamente nada, e ai como eu tinha essa vontade de luta, vontade de colocar abaixo esse regime golpista, eu vi que o PCO era o único partido que estava fazendo alguma coisa eu resolvi me juntar ao PCO para levar adiante essa luta.”

DCO: Como a população tem reagido à campanha do PCO?

César Cataldo: A população tem reagido muito bem a campanha eleitoral do PCO. Não só por conta das pautas que nós levantamos do nosso programa de luta, que engloba o Fora Bolsonaro e a reivindicação pelos direitos políticos do Lula, mas também por conta de outras pautas como o salário mínimo de 5 mil reais, a campanha por 35 horas de trabalho, as mulheres têm gostado da questão da liberação do aborto, para deixar que as mulheres decidam o que fazer com seus corpos. Também a nossa luta pelo fim dos presídios e da polícia militar, tem feito a população entender bastante a nossa luta e tudo a gente tem feito, mas também não só as pautas, mas o fato de que nós fazemos esse trabalho há muito tempo e não somente no período eleitoral auxilia para que as pessoas entendam melhor, que o nosso programa é um programa de luta, que o PCO não tem dois programas, é um programa único e a eleição é somente uma tribuna de luta.

DCO: Sua candidatura tem tido destaque na imprensa burguesa? Ou está sendo excluído como ocorre com as outras candidaturas do PCO?

César Cataldo: A minha candidatura só tem sido divulgada mesmo pelos meios do próprio partido, pela nossa imprensa e também pela nossa campanha, pela campanha que temos feitos com militantes do próprio partido e aqueles que quiseram aderir aos comitês de campanha do Partido da Causa Operária. A imprensa burguesa não dá destaque às campanhas operárias como um todo, e a minha não é diferente. Não tem sido apresentada em lugar nenhum da imprensa burguesa. Isso demonstra a necessidade da esquerda de ter uma imprensa própria, os partidos de esquerda, eles tem que investir em sua própria imprensa, porque a imprensa burguesa não tem interesse nenhum em divulgar os candidatos dos operários, os candidatos da classe trabalhadora.

DCO: Como funciona a campanha do Partido nestas eleições?

César Cataldo: Nós temos saído às ruas, distribuídos panfletos para as pessoas nas ruas, mas também nós temos batido de casa em casa pra conversar com a população para falar sobre o programa do partido, além de distribuir panfletos e vender o Jornal da Causa Operária, como é o costume dos militantes do Partido da Causa Operária. Nossa campanha tem sido de conversa com a população, esclarecer tudo que o país vem passando e qual é o programa de luta para a classe trabalhadora no atual momento.

DCO: Por que o PCO foca mais o partido do que o candidato?

César Cataldo: Aqui no Brasil nós estamos acostumados com a política que foca muito mais nos candidatos, mais nas personalidades do que no partido. Isso aí gera uma medida de corrupção muito grande nos partidos de esquerda, pois gera um carreirismo muito grande. Faz com as Pessoas entrem na política em benefício próprio, se auto promovam e no fim manobrem dentro dos partidos para fazer sua própria eleição, em benefício próprio e não em benefício da população, dos trabalhadores, do povo. O PCO ele tem uma candidatura de partido porque nós queremos construir um partido que seja revolucionário e que agrupe a maior parte da classe operária e amplos setores dos oprimidos no Brasil, para que assim nó possamos derrubar o sistema burguês e instaurar um regime dos trabalhadores, um estado operário.

DCO: Vocês tem interesse em fazer parte da frente ampla para combater Bolsonaro ou o que o PCO propõe?

César Cataldo: Eu não tenho interesse nenhum em fazer parte de nenhuma frente ampla para combater o Bolsonaro. Até porque foi a burguesia dita democrática, dos partidos tradicionais da burguesia do centrão que deram o golpe de estado que resultou no governo do Jair Bolsonaro. Nesse sentido, não tem motivo nenhum para que a gente embarque numa aliança com essas pessoas para derrotar o Bolsonaro. Nós precisamos fazer aquilo que o Partido da Causa Operária tem proposto que é clareza e fazer uma política que mobilize a classe operária, mobilize os trabalhadores e todos os setores oprimidos do Brasil contra o golpe de estado. Combatemos o Bolsonaro e combatemos a burguesia, porque a burguesia ela não é de forma alguma aliada do povo, ela é a principal inimiga da população brasileira.”

DCO: Obrigado pela atenção, quais suas palavras finais?

César Cataldo:: Só queria dizer para a população de todo o Brasil, mas principalmente a população da cidade de Taquaritinga, que apesar de todos os males, de tudo que vem acontecendo, nós vamos ser vitoriosos e nós vamos derrubar o governo Bolsonaro, mas para isso a gente precisa que a população se una em torno dessa palavra de ordem do Fora Bolsonaro e se una também em torno da candidatura de Lula para presidente em 2022.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas