Continente assolado
Pobreza na América Latina aumentaria em pelo menos 4,4 pontos percentuais, quase 29 milhões a mais de pessoas com comparado a 2019, atingindo 34,7% da população da região
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
377601351_59edcc3016_k
Direita destrói o continente e não sabe lidar com a crise, jogando o povo na pobreza.Foto: Anna Wolf |
Santiago do Chile, 12 de maio (Prensa Latina) A América Latina e o Caribe sofrerão um aumento de extrema pobreza e desigualdade devido ao baixo crescimento econômico devido à pandemia de Covid-19, prevê hoje a CEPAL.

 

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) apresentou hoje nesta capital seu relatório especial ‘O desafio social em tempos de Covid-19’, com uma estimativa do impacto e desafios que a atual crise teria para os países da região a curto, médio e longo prazos.

Para enfrentar os impactos socioeconômicos da crise da saúde, o estudo recomenda que os governos garantam imediatamente à população uma renda para satisfazer as necessidades básicas, o que considera crucial para uma recuperação relativamente rápida.

Além disso, exige ir além das pessoas mais pobres e alcançar amplos estratos muito vulneráveis da população, o que permitiria o progresso em direção a uma renda básica universal, para garantir o direito à sobrevivência.

Ao apresentar o relatório, Alicia Bárcena, Secretária Executiva da CEPAL, destacou que a manutenção da renda básica de emergência (IBE) ao longo do tempo, de acordo com a situação de cada país, é relevante, pois a superação da pandemia levará tempo e as sociedades deverão coexistir com a sociedade e com coronavírus, o que dificultará a reativação econômica.

Bárcena destacou que a pandemia tornou visíveis problemas estruturais do modelo econômico e as deficiências dos sistemas de proteção social e, por esse motivo, é preciso avançar na criação de um pacto social que considere os aspectos fiscais, sociais e produtivos.

Dada a queda de 5,3% do PIB e o aumento do desemprego de 3,4 pontos percentuais projetado pela CEPAL, este ano a pobreza na América Latina aumentaria em pelo menos 4,4 pontos percentuais, quase 29 milhões a mais de pessoas com comparado a 2019, atingindo 34,7% da população da região.

Ele acrescenta que a pobreza extrema aumentaria 2,6 pontos para afetar 83,4 milhões de pessoas, enquanto as desigualdades aumentarão em uma região caracterizada pela desigualdade e que os piores resultados são esperados nas maiores economias da região. .

Segundo o relatório, os grupos mais afetados pela crise socioeconômica serão mulheres, estratos de baixa e média-baixa renda, trabalhadores informais, crianças, adolescentes e jovens, idosos, população rural, indígenas, afrodescendentes, migrantes e pessoas com deficiência.

O estudo refere-se às medidas de proteção social implementadas pelos governos da região e, nesse sentido, Bárcena destacou que é necessário garantir renda, segurança alimentar e serviços básicos a um grande grupo de pessoas muito vulneráveis que não foram necessariamente incluídas em programas sociais antes da pandemia.

Ele acrescentou que é hora de implementar políticas universais, redistributivas e de solidariedade com uma abordagem baseada em direitos e construir sistemas universais de proteção social e, dentro disso, garantir o direito à saúde, superando a atual fragmentação e mercantilização desse serviço básico.

Ele também pediu, para sair da crise, repensar o modelo e consolidar as dimensões econômica, social e ambiental do desenvolvimento sustentável, sem deixar ninguém para trás, conforme estabelecido na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, promovida pela ONU.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas