Não são democratas
Reação de setores do centrão não significa que sejam democratas, mas que declarações de Carlos Bolsonaro colocam a estabilidade do regime golpista em perigo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Solenidade de posse do presidente da República e do vice-presidente eleitos.  O presidente eleito, Jair Bolsonaro, acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e do filho Carlos Bolsonaro, chegam ao Congresso Ncional no Rolls-Royce conversível.   Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Carlos Bolsonaro acompanha o pai na cerimônia de posse. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado |

Na última segunda-feira (09), o vereador fascista Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) publicou no Twitter uma mensagem ameaçadora contra qualquer resquício de democracia que possa existir no Brasil.

“Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos”, escreveu “Carluxo”, como ficou conhecido um dos filhos do presidente ilegítimo Jair Bolsonaro.

Trata-se de uma nova ameaça de golpe feita pela extrema-direita, dentre muitas que ocorreram desde o golpe do impeachment contra Dilma Rousseff em 2016.

Essa frase escancara pela enésima vez o caráter abertamente fascista da família Bolsonaro e do núcleo duro do bolsonarismo. Não pouparão esforços para, quando possível, estabelecer uma verdadeira ditadura fascista, removendo do caminho todos os seus adversários políticos, a começar pela esquerda, e dizimando o movimento operário.

No entanto, pelo perigo que representa essa ameaça para a população, é grande a probabilidade de reação popular através da mobilização dos movimentos de luta contra o golpe e a direita. Até porque essa declaração tem a capacidade de mobilizar setores mais reacionários das Forças Armadas a favor de um golpe militar, e a população tenderia a se movimentar de maneira mais radical contra essa ação.

Sabendo da gravidade dessa declaração para a própria estabilidade do regime golpista, a direita que é igualmente golpista ou mesmo fascista criticou a posição de Carlos Bolsonaro.

O general Hamilton Mourão, vice-presidente da República, um fascista de carteirinha, fez novamente demagogia ao dizer que a democracia é “fundamental” e um dos “pilares da civilização ocidental”. Por sua vez, o presidente do Senado, David Alcolumbre, disse que esse tipo de comentário merece “desprezo”, enquanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, destacou que essa posição “não cabe em um país democrático”.

Já o abutre golpista Ciro Gomes, que tenta mas não consegue se passar por esquerdista, afirmou que “não precisamos saber a opinião desse boboca, mas precisamos que Bolsonaro diga claramente que foi uma bobagem. Ele deve defender o estado democrático”.

Para além das brigas intestinas desse setor representativo de uma ala da burguesia com Bolsonaro, há uma clara intenção corretiva em relação às posturas do presidente legítimo e seus filhotes fascistas. Faz parte da tentativa de colocar Bolsonaro na linha para evitar o aprofundamento da crise do regime golpista, já intensamente desgastado e impopular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas