HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

Rui Costa Pimenta alerta para novo golpe da burguesia

Amigos do patrão

Centrais pelegas boicotam atos: é preciso romper de vez com elas

É preciso destacar que as “centrais” sindicais que atuam ao lado dos patrões estão contra os atos de rua, como o 29 de maio e o 19 de junho

A CUT é a única central que realmente tem base operária, não precisa de alianças com pelegos – Foto: Reprodução

Publicidade

Na contramão da tendência à radicalização das massas, centrais sindicais pelegas se negam a participar do ato do dia 19. Essa postura, no entanto, é digna do velho peleguismo das sindicais fajutas e de brinquedo dos patrões. Enquanto a população se desloca à esquerda, os pelegos procuram impor barreiras contra a mobilização popular, servindo como escudo dos capitalistas e um entrave para o avanço dos trabalhadores contra o golpe.

Após reunião realizada na quarta-feira passada (02), ficou nítida a posição da maior central sindical do país quanto à realização dos atos do dia 19 de junho. Para a CUT, os atos devem ser realizados. Já para a Força Sindical, uma espécie de apêndice dos patrões, os atos não devem ocorrer. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) não apenas apoia os atos, como pensa em expandi-lo. Para João Paulo Rodrigues, da coordenação nacional do MST e membro da Frente Brasil Popular, o intuito é aumentar de 250 para 500 cidades, incluindo cidades de porte médio do interior de Londrina (PR) e Bauru (SP).

Para justificar a sabotagem, os pelegos apelam a todos os artifícios e desculpas possíveis. Segundo João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, em entrevista à Folha de S. Paulo, “os movimentos populares estão querendo impor uma data para as centrais. Isso é ruim. Não existem duas manifestações de uma semana para outra para conquistar a mesma coisa. A experiência sindical nos mostra isso. Tem que ter mais tempo”. Ora, o que esperar dos pelegos? É esse pé no freio que os capitalistas utilizam através da burocracia sindical para impedir as massas de conquistarem suas demandas. Em se tratando de centrais artificiais como a Força Sindical, é sabido que suas direções são super corruptas e mafiosas, apenas isso; não têm nada além disso, não têm base operária.

Mas essa atitude não é exclusiva dos pelegos da Força Sindical. Ao firmar meio pé no muro da desmoralização, Antonio Neto, presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), pendeu para o lado da direita e buscou equilíbrio com a ajuda da brisa do oportunismo. Em todo caso, sua resposta foi contra os atos. Vejamos a desculpa do dirigente. “Estamos muito preocupados com a possibilidade de os atos aumentarem a propagação do coronavírus, que já matou quase 500 mil brasileiros por culpa desse governo genocida. Para quem desejar ir assim mesmo, recomendamos que sigam todos os protocolos sanitários: usem máscara PFF2, álcool em gel e mantenham distância de pelo menos dois metros”, afirmou Neto.

É preciso destacar que as “centrais” sindicais que atuam ao lado dos patrões estão contra os atos de rua, como o 29 de maio e o 19 de junho. Isso, obviamente, é um boicote. Ao contrário dos arremedos patronais, as organizações sindicais e populares que possuem uma base popular concreta estão agindo de acordo com os interesses da classe trabalhadora. A CUT, que tem mais de 4 mil sindicatos, tem uma militância, ou seja, que possui uma base poderosa, se colocou a serviço da população oprimida, pressionada por essa mesma base.

Essas outras centrais, não. Tudo o que elas fazem em uma frente com a CUT é sabotar a luta, é impedir o avanço da CUT e do movimento sindical e operário como um todo. Por isso, o fato de elas não quererem participar dos atos é muito positivo, pois revela quem elas são e pelo menos não atrapalham os atos. Essa é uma boa lição para a população: quem são seus aliados e quem se junta aos inimigos. As “centrais” sindicais que se negam a sair às ruas estão agindo abertamente contra a classe operária, servindo de apoio para o governo golpista. Melhor tê-los longe, ninguém quer essas centrais pelegas.

O que é preciso é uma aliança entre as organizações operárias e populares, uma frente única dos trabalhadores da cidade, do campo, da juventude e dos partidos de esquerda para ampliar o movimento e organizá-lo a fim de levar um milhão às ruas no dia 19 de junho e manter uma jornada de mobilizações que derrube Bolsonaro e todo o regime político golpista.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.