Centenas de argentinos deixam a Igreja Católica em ato pelo Estado laico

Pope Francis

Centenas de pessoas realizaram, e muitos outros continuam a realizar, uma “renúncia” coletiva ao catolicismo em favor do Estado Laico em Buenos Aires, na Argentina. É um movimento que ganha corpo, a apostasia é uma reação da população população ingerência reacionária da Igreja Católica nos rumos do Estado Argentino. A Argentina é uma país não laico onde a Constituição exige que o’governo apoie o catolicismo Romano.

O movimento distribui formulários para preenchimento necessários a apostasia com caráter oficial, e muitas pessoas preencheram e estão preenchendo para oficialmente desligarem-se do catolicismo.

O mote central de tal atitude, e que deu impulso a campanha pela total separação do Estado e igreja,  foi a campanha vil e reacionária promovida pela igreja católica, contra a descriminalização do aborto. A medida foi aprovada na Câmara, através da luta de anos das mulheres argentinas. A igreja, e o Papa Francisco, que pediu a ditadura Argentina, mas que hoje procura passasse por modernizador da Igreja e homem moderado, lançaram violenta campanha contra o aborto, o que levou a rejeição do projeto no Senado.

O resultado da votação no senado gerou revolta na população. A apostasia e a luta pelo Estado laico está certamente na agenda do movimento social argentino.