Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Neste sábado 18/02, durante o desfile das Campeãs, a Sapucaí foi palco de diversas tentativas de censura da manifestação política que neste momento toma conta da parcela consciente da população brasileira, sobretudo do cidadão carioca agora vivendo a realidade do aprofundamento do estado de exceção implementado no país após o golpe, com esse decreto absurdo do Ilegítimo golpista Temer, que impôs na cidade do Rio de Janeiro a situação de intervenção militar atribuindo o poder da Secretaria de Segurança Pública aos militares com a falsa desculpa de tentar resolver o problema do tráfico e da violência na cidade.

Até poucas horas antes da escola de samba, vice-campeã do carnaval carioca, G.R.E.S Paraíso do Tuiuti entrar na avenida, uma ordem extra oficial da Presidência da República havia proibido que o destaque representando a figura do vampiro que simbolizava a caricatura adquirida pelo presidente golpista desfilasse. Depois houve a liberação para que o integrante desfilasse fantasiado porém tendo sido obrigado a retirar a faixa presidencial, que caracterizava diretamente o que o destaque representava: a figura rejeitada do presidente golpista Michel Temer.

A TV Brasil, que transmitiu o desfile ao vivo, foi proibida de mostrar as alas dos Manifestoches e Guerreiros da CLT. E de fato na transmissão as alas não foram mostradas. Na ala dos manifestoches, as mãos que manipulavam os patos foram obrigadas a tirar as cordas.

Inaceitável que a maior expressão popular da cidade do Rio de Janeiro seja censurada em seu principal papel de crítica social. Isso não é passível de ser aceito nem com as escolas e seu conteúdo artístico e tampouco com o público presente.

Porém esta censura não se deu somente na avenida, mas também nas arquibancadas da Sapucaí. Um vídeo postado no You Tube, gravado por uma militante do Partido dos Trabalhadores, mostra que a Liesa estava orientada a impedir manifestações políticas, sobretudo em apoio ao ex-presidente Lula.

Em entrevista concedida ao Diário Causa Operária, umas das militantes revela que ela e outras ativistas cariocas foram cercadas por funcionários da Liesa no momento em que abriram uma faixa em apoio ao ex-presidente. Inicialmente foram quatro funcionários do sexo masculino que cercaram as ativistas com a tentativa intimidatória de fazê-las entregar a faixa a eles, depois mais homens se aproximaram do grupo. Segundo nos informou, não houve abordagem violenta mas uma forte intimidação verbal sob o argumento que a coordenadora do setor 5, onde estavam, havia ordenado o recolhimento da faixa.

As militantes que atuam no Movimento de Mulheres do Rio, no Comitê pela Democracia e em apoio a Lula e no Partido dos Trabalhadores, não se deixaram intimidar pela abordagem e se negaram a obedecer a tentativa absurda de censura por parte da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba).

Liesa tenta censurar manifestantes nas arquibancadas da Sapucaí 1

Após algum tempo de discussão, momento em que o vídeo é gravado, os funcionários da Liesa desistiram e permitiram que a faixa fosse aberta apenas no momento em que a Escola de Samba Tuiuti desfilasse, segundo a militante este era o objetivo do grupo, homenagear a Tuiti exercendo seu livre direito à manifestação, papel de todo folião crítico neste momento.

“Todas nós pagamos pra estar ali, e no verso do nosso crachá existiam orientações do que era proibido e ali não constava proibição para faixas, inclusive no momento da abordagem uma das militantes do grupo se apresentou como advogada, a gente teve certeza portanto, que eles não tirariam a faixa da gente porque a gente não iria permitir, e foi o que ocorreu. Durante o desfile da Tutiti nós fomos pra frente do gradio do setor 5, seguramos nossa faixa e a escola inteira viu nossa faixa durante todo o desfile! Recebemos apoio, as pessoas conversavam com a gente, com toda a empolgação trazida pelo samba da Escola. Foi muito emocionante!” desabafou a militante durante a entrevista.

A militante também revelou que havia outras faixas e cartazes menores, denunciando a Globo Golpista e pedindo Fora Temer, mas que a tentativa de intimidação se deu apenas com seu grupo que trazia uma faixa em apoio a Lula.

A exemplo destas e de outros militantes presentes na Sapucaí, nenhum cidadão brasileiro deve se render a qualquer tipo de censura e intimidação do pensamento e da liberdade de expressão. Munidas de uma câmera e de argumentos conscientes elas enfrentaram a tentativa de censura e estenderam a faixa durante todo o desfile da Tuitui.

Assim deve proceder todo cidadão brasileiro ante qualquer tentativa de censura por parte dos golpistas, não se deixar intimidar por qualquer aparato repressor, enfrentar os desmandos antidemocráticos dos golpistas e defender seu direito Constitucional com garra e consciência.

Assista ao vídeo:

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas