Siga o DCO nas redes sociais

Netflix deve retirar programa
Censura ao Porta dos Fundos: os “limites” da liberdade de expressão
Desembargador bolsonarista censura especial de natal do Porta dos Fundos com a justificativa de que a liberdade de expressão tem limites e que faz isso para acalmar os ânimos
jesus-gay-1-scaled-1280x720
Netflix deve retirar programa
Censura ao Porta dos Fundos: os “limites” da liberdade de expressão
Desembargador bolsonarista censura especial de natal do Porta dos Fundos com a justificativa de que a liberdade de expressão tem limites e que faz isso para acalmar os ânimos
Foto: divulgação Porta dos Fundos.
jesus-gay-1-scaled-1280x720
Foto: divulgação Porta dos Fundos.

O especial de natal do Porta dos Fundos que estreou no fim do ano passado pela Netflix sofre agora com a censura estatal. O grupo humorístico sofreu um atentado terrorista de uma facção integralista com dois coquetéis molotov no dia 24 de dezembro. O desembargador que proferiu o ato de censura disse estar agindo para acalmar os ânimos e que a liberdade de expressão tem “limites”.

Após a poeira ter baixado um pouco, o judiciário brasileiro que é um dos principais sustentáculos do golpe de estado no Brasil resolveu apoiar novamente a extrema direita, censurando não só o especial de natal, mas também trailers e propagandas. Isso demonstra mais uma vez como o golpe de Estado não pode ser destruído pelas vias institucionais, pois elas apoiam a extrema direita em seus atos e as protege. Somente uma mobilização das massas vai ser capaz de impedir que o Brasil se aprofunde em uma ditadura fascista.

Vários grupos religiosos e de extrema-direita pediram em abaixo-assinados e pedidos na justiça para que o especial fosse retirado do ar, em especial um grupo da extrema direita católica chamado de Centro Dom Bosco de Fé e Cultura, filiado à Igreja Católica, o que também desmente um dos grandes mitos da esquerda pequeno burguesa brasileira, o de que o problema do Brasil seriam os grupos evangélicos, quando o problema é bem mais profundo do que a simples escolha religiosa.

O desembargador Benedicto Abicair, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), é o mesmo que em 2017 absolveu Bolsonaro de acusações homofóbicas com a justificativa de que fazia isso para garantir a liberdade de expressão, se dizendo contra a censura. Aqui mais uma vez é preciso dizer que enquanto parte da esquerda pequeno burguesa também prega a necessidade de cercear a liberdade de expressão da direita, a direita está dentro dos tribunais e não julga os casos com base na lei, mas sim com base em questões que dizem respeito à luta política. Fica aqui desmentido que reformas na justiça garantiriam às populações oprimidas algum direito, já que quem determina isso na justiça são os direitistas apoiadores da burguesia e do fascismo.

É preciso intensificar a luta pelo fora Bolsonaro para ontem, pois só uma derrota política desse nível da população contra a extrema direita e a burguesia é que poderemos garantir não só a liberdade de expressão, mas também os outros direitos que vêm sendo retirados por Jair Bolsonaro.

Caso queira saber mais sobre o assunto, a reunião de pauta dessa quinta-feira tratou sobre o assunto, além de falar sobre a questão do Irã, as demissões que acontecerão na Embraer, os erros “imprecionantes” de escrita do ministro da educação de Bolsonaro e muito mais.