Ofensiva fascista
Governo de extrema-direita da Polônia quer banir o direito ao aborto da Constituição
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
aborto polonia
100 mil pessoas ocuparam o centro de Varsóvia para lutar pelo direito das mulheres | Lusa

Cerca de cem mil poloneses protestaram na última sexta-feira (30) contra o endurecimento de leis que restringe o aborto no país. Milhares de mulheres saíram às ruas desafiando o governo de extrema-direita e suas medidas restritivas de isolamento social, que limita a participação de no máximo cinco pessoas em reuniões públicas, para reivindicar o direito ao aborto.

A manifestação reuniu jovens e famílias com crianças, e uma grande parte dos manifestantes pedia a renúncia do governo polonês de Andrzej Duda, apoiado por Trump e Bolsonaro. Andrzej Duda também é contrário ao casamento homossexual e em 4 de julho de 2020, Duda propôs mudar a constituição para proibir os casais LGBT de adotarem filhos.

Andrzej Duda: presidente de extrema-direita da Polônia recebeu apoio de Bolsonaro e Trump

O protesto aconteceu em Varsóvia, nas ruas do centro da capital polonesa segurando cartazes com os dizeres “eu penso, eu sinto, eu decido”. As menifestações contrarias a retirada do direito ao aborto no país está acontecendo diariamente desde o dia da decisão (22). Grupos de extrema-direita também realizaram protesto, mas em manifestações bem menores.

Extrema-direita avança contra mulheres na Polônia

Os protestos começaram na semana passada quando o Tribunal constitucional da Polônia decidiu de forma ditatorial que a realização de abortos por anormalidade fetal viola a Constituição. Essa decisão bane totalmente o direito ao aborto no país, que possui algumas das leis abortivas mais rigorosas da Europa.

Antes da decisão, que é irrecorrível, a Polônia permitia abortos apenas por anomalias fetais, ameaça à saúde da mãe ou em caso de incesto ou estupro. A mesmas condições permitidas no Brasil.

Na Polônia cerca de 2 mil abortos legais eram realizados no país por ano, e a esmagadora maioria era por motivos de anormalidades fetais, razão vetada na nova lei. 

“Eliminar as razões para quase todos os abortos legais é praticamente igual a bani-los e violar os direitos humanos”, afirmou a comissária para os Direitos Humanos do Conselho da Europa, Dunja Mijatovic. “Isso se traduz em abortos clandestinos ou no exterior para quem pode pagar e mais sofrimento para quem não pode.”

A Polônia, assim como o Brasil, possui um governo de extrema-direita e defensor de valores religiosos tradicionais. As mulheres do Brasil devem sair às ruas, assim como na Polônia, contra o governo de extrema-direita de Bolsonaro, caso contrário, o direito ao aborto no Brasil também corre o risco de ser banido da Constituição.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas