Retomar a greve
Os empregados da CEB haviam decretado greve por tempo indeterminado a partir do dia 1º de dezembro, tendo como pautas principais a manutenção dos seus direitos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Greve-CEB-450x300
Assembleia CEB | Reprodução/Stiu DF
Greve-CEB-450x300
Assembleia CEB | Reprodução/Stiu DF

Os trabalhadores da Companhia Energética de Brasília (CEB), que se encontram em campanha salarial, têm os seus direitos ameaçados pelo governo do DF, do fascista Ibaneis; medida essa que visa beneficiar os capitalistas imperialistas espanhóis que acabam de abocanhar, a preço de banana, a empresa, via leilão na Bolsa de Valores de São Paulo, no último dia 04 de dezembro.

Os empregados da CEB haviam decretado greve por tempo indeterminado a partir do dia 1º de dezembro, tendo como pautas principais a manutenção dos seus direitos, sendo que a direção golpista da empresa pretendia excluir 24 cláusulas do acordo coletivo ainda vigente, dentre elas a estabilidade no emprego e indenização em caso de morte ou invalidez e contra a privatização.

No dia 04 de dezembro, devido a completa confusão das direções do movimento dos trabalhadores da Ceb em depositar confiança nas instituições burguesas, a pedido do presidente do TRT-10, desembargador Brasilino Santos Ramos, e do Ministério Público do Trabalho, o sindicatos suspendeu a greve da categoria para novas negociações até a audiência de conciliação nesse dia 08 de dezembro (até o fechamento edição do DCO não havia o desfecho da audiência).

O Ministério Público e o Tribunal, instituições tradicionais em liquidar com os direitos dos trabalhadores, deram o velho golpe e, com a suspensão da greve, a privatização veio a acontecer no mesmo dia 04 de dezembro. Agora a CEB, ou seja, o GDF, conjuntamente com o TRT e o MP vão tentar mais um golpe em liquidar com os direitos os trabalhadores com o objetivo de sacramentar a privatização e entregar, uma das mais importantes empresas estatais da Capital Federal, enxutinha para os parasitas capitalistas internacionais.

Para barrar a ofensiva reacionária da direita golpista contra os trabalhadores e a entrega do patrimônio do povo brasileiro é necessário não depositar a menor confiança nas instituições, responsáveis pela liquidação dos direitos dos trabalhadores e, inclusive pelo golpe de Estado. Somente a luta, através dos métodos tradicionais da classe trabalhadora poderá barrar tal ofensiva.

É preciso reorganizar a greve, ocupar a empresa até que as reivindicações sejam atendidas e pela a anulação da privatização. Organizar uma gigantesca mobilização, juntamente com outras categorias, também ameaçadas de privatização, como é o caso dos Metroviários, dos bancários do Banco de Brasília, Caesb, Novacap, etc., ter um plano de luta e de mobilização em cada local de trabalho, criar comitês de luta, chamar a CUT e seus mais de 100 sindicatos filiados a lutar contra as demissões, contra as privatizações, por uma CEB pública controlada pelos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas