Siga o DCO nas redes sociais

Encarceramento em massa
Ceará: atentados seriam resposta à repressão policial nos presídios
Enquanto os presídios brasileiros forem máquinas de moer gente e não houver a libertação dos presos (a maioria sequer foi julgada), atos como esse continuarão ocorrendo
16644028001_70ff3e529a_o (1)
Encarceramento em massa
Ceará: atentados seriam resposta à repressão policial nos presídios
Enquanto os presídios brasileiros forem máquinas de moer gente e não houver a libertação dos presos (a maioria sequer foi julgada), atos como esse continuarão ocorrendo
Repressão nos presídios é política nazista. Foto: Assessoria Sesp
16644028001_70ff3e529a_o (1)
Repressão nos presídios é política nazista. Foto: Assessoria Sesp

Em cinco dias, o estado do Ceará teve 30 ataques a ônibus e prédios públicos, desde a última sexta-feira (20). Os atentados contra ônibus, caminhões, carros estacionados em concessionárias, edifícios públicos e privados e uma torre de telefonia tiveram lugar em Fortaleza e região metropolitana, bem como no interior do estado.

Esses ataques se dão apenas oito meses após os atentados do início do ano, que serviram de desculpa para o governo ilegítimo, através de decisão do fascista Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública, decretar o envio da Força Nacional de Segurança ao estado. Assim, os militares realizaram mais um treinamento para a intervenção que buscam fazer a nível nacional, impondo uma ditadura militar caso seja necessário.

Os atentados recentes estariam sendo cometidos a mando da facção GDE (Guardiões do Estado), que atua dentro dos presídios cearenses, em resposta à repressão brutal que os agentes públicos impõem nas prisões, que não passam de centros de tortura e morte para a população pobre e negra.

A ação do Estado no início do ano se deu em conjunto com o governo do Ceará, liderado por Camilo Santana, da ala direita do PT. Adotando uma política direitista, ele optou pela repressão ao lado dos golpistas e da extrema-direita para conter a crise social que foi gerada. 

Desta vez, a história se repete. “Minha determinação aos comandos foi de endurecer ainda mais contra o crime, agindo com firmeza e dentro da lei. Reforçaremos as equipes nas ruas e intensificaremos ainda mais as operações. Não recuaremos em absolutamente nada nas medidas que foram tomadas até aqui. Muito pelo contrário, seremos cada vez mais rigorosos com quem desrespeitar a lei. A possibilidade do retorno às regalias nos presídios é zero”, declarou Santana.

A política de Estado de encarceramento em massa é a grande causa da rebelião nos presídios e desse tipo de atentado, como os que ocorrem no Ceará. A maioria dos presos sequer foi julgada e outra grande parte está na cadeia por crimes insignificantes. Nas masmorras que são os presídios, os cidadãos sofrem um tratamento desumano da pior espécie, e os que não deveriam estar presos porque, na realidade, não são criminosos, por estarem em uma situação como essa acabam se transformando em criminosos por culpa do sistema prisional nazista que existe no País.