Participe
Reunião com militantes de mais de 10 Estados organizou primeiras iniciativas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Cartaz CSNCO
Cartaz da campanha contra as privatizações e demissões | Foto: DCO

Em reunião realizada ontem (dia 12/12) com a participação de companheiros de mais de 10 Estados, dentre professores e trabalhadores do ensino básico e da universidade, metalúrgicos, trabalhadores dos correios, bancários, servidores públicos, trabalhadores dos frios e ativistas sindicais de diversas outras categorias, a Corrente Sindical Nacional Causa Operária – CSNCO – (formada por militantes e simpatizantes do PCO), deram a largada para a realização de uma ampla agitação para que as organizações operárias realizem uma mobilização contra as demissões e as privatizações.

Participaram companheiros de capitais e cidades do interior do RS, SC, PR, RJ, SP, BA, DF, MT, PE, PB, PI, e RR.

A reunião organizou a distribuição imediata de um mais de 10 mil cartaz e 20 mil boletins – já impressos -, principalmente junto aos locais de trabalho e nos locais de grande concentração, para que os trabalhadores e suas organizações intervenham na crise de fora concreta.

Ficou deicídio que, além da distribuição dos materiais, os diversas setores vinculados à CSNCO vão realizar reuniões de trabalhadores de diversos setores, com sindicalistas etc. para discutir a proposta de mobilização.

O documento da CSNCO

Publicamos abaixo, na íntegra, texto do cartaz e Boletim Causa Operária, que estará sendo distribuído em todo o País nos próximos dias

“Por uma mobilização nacional contra o desemprego e as privatizações

“A classe trabalhadora brasileira está sob o maior ataque das últimas décadas, sofrendo com um brutal retrocesso em suas condições de vida.

O desemprego atinge, pela primeira vez em nossa história, a maioria dos trabalhadores e, praticamente, não há famílias em que não haja desempregados.

Os patrões tiram proveito dessa situação e da legislação imposta após o golpe de Estado (2016) para contratar de forma temporária, em um regime de escravidão, em que milhões trabalham – praticamente – por um prato de comida.

Tirando proveito do desemprego, foi imposto um regime de brutal arrocho salarial. Os poucos contratados são admitidos com salários mais baixos e sem direitos. Servidores públicos estão com salários congelados há vários anos e os governos tiram proveito da pandemia para aprovar que eles permaneçam assim até o final de 2021.

Enquanto os salários caem, o custo de vida não para de crescer. Os preços dos alimentos aumentaram até 40% no ano.

Até mesmo a fajuta taxa de inflação oficial é a mais alta dos últimos 15 anos.

Diante da pandemia, Bolsonaro e toda a direita golpista, impuseram um dos mais miseráveis auxílios emergenciais de todo o Mundo, países bem mais pobres do que o Brasil pagaram valores superiores aos míseros R$600, que depois foram cortados para R$300 e que, agora, eles querem eliminar. Em janeiro, milhões de famílias vão ficar sem auxílio nenhum.

Com isso, o número de famintos que não para de crescer, vai chegar a mais de 100 milhões de brasileiros. Pela primeira vez em muitos anos, vamos ter um Natal e fim de ano, com mais de 80 milhões de brasileiros passando fome. Sem luta a situação só tende a piorar em 2021.

Depois da farsa e da fraude das eleições vencidas pela direita golpista (que se disfarça cinicamente de “centro”) e das mentiras da campanha eleitoral, a situação se agrava por todos os lados. Disparam os casos de contaminados pela covid-19 e o País caminha para ter mais de 200 mil mortos, no começo de janeiro.

Por todos os lados lançam uma mentirosa campanha em torno da vacina, ainda incerta e com a qual os grandes monopólios e suas máfias querem lucrar bilhões com a desgraça do povo para encobrir que eles não estão fazendo nada para combater o sofrimento do povo: não há testes em massa, milhões de testes estão perdendo a validade sem serem usados, hospitais de campanha (que só serviram à campanha eleitoral) foram fechados, não há investimentos na Saúde, contratações, distribuições de equipamentos etc.

É preciso quebrar a paralisia dos sindicatos colocados em “quarentena”. Enquanto milhões de trabalhadores voltaram à labuta, outros tantos foram demitidos etc. a maioria dos sindicalistas permanecem isolados dos trabalhadores e se recusam a fazer qualquer mobilização real (e não meramente virtual e inócua) em defesa dos trabalhadores. Muita gente da esquerda que acompanhou a campanha direitista de “morrer em casa”, só saiu de lá para pedir voto e, agora, voltou ao “isolamento”.

É preciso tirar as organizações de luta dos explorados dessa inércia. Exigir a convocação de assembléias, atos, mobilizações etc. – com as devidas medidas de proteção social. Não é possível sofrer e assistir a estes ataques sem nada fazer.

É preciso convocar assembléias em todos os sindicatos, plenárias unificadas das categorias, assembleias populares e tudo mais que for preciso para colocar a poderosa força da classe operária organizada em movimento em uma campanha nacional de luta contra as demissões e as privatizações e pelas demais reivindicações do povo trabalhador.

BARRAR AS DEMISSÕES 

    • Reduzir a jornada para 35h semanais. Trabalhar menos, para que todos trabalhem
    • Proibir as demissões. Dividir as horas de trabalho necessárias entre os empregados, reduzindo a jornada, sem reduzir os salários
  • Ocupar as fábricas e empresas contra as demissões
  • Não aos PDV’s e PDI’s: demissão é guilhotina e o pior flagelo para o trabalhador na atual etapa de crise
  • Criar Comitês de Luta contra o desemprego

IMPEDIR AS PRIVATIZAÇÕES

  • De nada adiantam atos de protestos no momento dos leilões, discursos e “pressão Parlamentar”, é preciso denunciar a entrega da economia nacional para os tubarões imperialista por parte do regime golpista
  • Não à privatização dos Correios: correio público e de qualidade
  • Barrar a entrega do petróleo nacional: Petrobrás 100% estatal, sob o controle operário. Nacionalização do petróleo
  • Contra a entrega das empresas nacionais, organizar a ocupação das estatais e colocá-las sob o controle dos trabalhadores
  • Reestatização das empresas privatizadas (Petrobrás, Vale, CSN, Usiminas, Cias. Elétricas, Transportes públicos etc.) sob o controle dos trabalhadores.
  • Não à privatização da CAIXA e do BB.
  • Estatização do Sistema Financeiro, sob o controle dos trabalhadores.

Essas e outras reivindicações fundamentais para os trabalhadores devem estar vinculadas à luta contra o regime golpista que impõe esse retrocesso, por meio da  luta por

  • Fora Bolsonaro, todos os golpistas e o imperialismo
  • Unidade da esquerda classista, prá lutar pela restituição dos direitos políticos do ex-presidente Lula e por Lula presidente em 2022.

Para impulsionar essa luta chamamos os trabalhadores e o ativismo classista a se agrupar em torno dos Coletivos da Corrente Sindical Nacional Causa Operária (militantes e simpatizantes do PCO), participando de nossas reuniões e demais atividades de campanha.

Para impulsionar essa luta chamamos os trabalhadores e o ativismo classista a se agrupar em torno dos Coletivos da Corrente Sindical Nacional Causa Operária (militantes e simpatizantes do PCO), participando de nossas reuniões e demais atividades de campanha. 

Dezembro de 2020.”

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas