Siga o DCO nas redes sociais

Rio de Janeiro
Casos de leichmaniose sobem 253% no Rio
Entre 2018 e 2019, os casos e leichmaniose em cães tiveram alta de 253% na cidade do Rio de Janeiro. No Estado, a alta foi de 164%.
Original Title: Sandfly_15-11.jpg
Rio de Janeiro
Casos de leichmaniose sobem 253% no Rio
Entre 2018 e 2019, os casos e leichmaniose em cães tiveram alta de 253% na cidade do Rio de Janeiro. No Estado, a alta foi de 164%.
Créditos da Imagem: James Gathany
Original Title: Sandfly_15-11.jpg
Créditos da Imagem: James Gathany

A notificação de casos de leichmaniose visceral em cães apresentou alta de 253% na cidade do Rio de Janeiro em 2019 em comparação com o ano de 2018.  Há dois anos foram notificados 38 casos, que subiram para 119 no ano passado. No Estado, a alta foi de 164%, com a elevação de 199 para 525 casos.

O retorno de diversas doenças nas cidades do país, dentre elas a leichmaniose, demonstra o absoluto descaso com a gestão da saúde pública e com a infraestrutura das cidades. O golpe de Estado de 2016 e os sucessivos cortes de recursos e as políticas de austeridade fiscal implementadas pelos governos golpistas nas esferas federal, estadual e municipal estão levando o Estado do Rio de Janeiro e seus municípios à beira do colapso.

O governador fascista Wilson Witzel (PSC) e o prefeito bolsonarista Marcelo Crivella (PRB) são diretamente responsáveis pela situação catastrófica da saúde pública e da infraestrutura do Rio de Janeiro. Witzel, ao invés de se preocupar com os graves problemas que afetam a população, estimula e promove o assassinato da população pobre nas favelas pela Polícia Militar. Já o prefeito Crivella se destaca na repressão aos vendedores ambulantes, que vivem aterrorizados com a perspectiva de terem suas mercadorias, sua única fonte de subsistência, apreendidas pelos agentes da prefeitura e da polícia. É bastante claro que para os dois políticos de extrema-direita, a existência de doenças que se espalham pela cidade não é objeto de qualquer preocupação.

O presidente fascista Jair Bolsonaro é igualmente responsável pela situação do Rio, Estado pelo qual foi deputado por diversos mandatos. Bolsonaro promove cortes seguidos na política de saúde pública e ataques seguidos aos direitos dos servidores públicos, bem como promove um sucateamento da infraestrutura.