Coronavírus
O governador João Doria (PSDB) anunciou o adiamento da reavaliação do Plano São Paulo, após um aumento de 18% no número de internações de coronavírus ter sido constatado.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maxresdefault
Doria negava o aumento das internações em virtude do coronavírus. | Foto: Reprodução

O governador João Doria (PSDB) anunciou o adiamento da reavaliação do Plano São Paulo, após um aumento de 18% no número de internações relacionadas com o coronavírus ter sido constatado na última semana. Estava prevista para esta terça-feira (17) a reclassificação do conjunto de medidas restritivas adotadas pelo governo em todo o território estadual.

O político tucano citou “preocupação” e “cautela” com o aumento nas internações. Nos últimos dias, a secretaria de Saúde de São Paulo não divulgou os dados sobre a pandemia, com a alegação de que houve um problema no sistema federal.

Uma atualização foi prometida para o dia 30 de novembro, quando serão avaliadas o avanço de novas regiões para a fase verde do Plano SP, com relaxamento de medidas restritivas. O aumento das internações, constatado já na semana passada, era negado pelo governo.

Conforme dados fornecidos pelo governo estadual,  a taxa de ocupação de leitos de UTI é de 47,3% na Grande São Paulo e  42,3% no estado. No total, são 7.973 pacientes internados, sendo que 4.601 estão em enfermaria e 3.372 em unidades de terapia intensiva. São Paulo é o epicentro da pandemia no Brasil. Desde o começo da pandemia e de acordo com os dados oficias, são 1.117.147 casos confirmados e 39.311 óbitos.

É evidente a preocupação do governador tucano de esconder a realidade da população, no sentido de passar uma impressão de normalidade e negar que a pandemia continua avançando e está totalmente fora de controle. A ideia é justificar a reabertura da economia e avançar na retomada das aulas presenciais nas escolas e universidades.

O governo estadual negava o aumento do número de internações que agora reconhece. Como a situação se agrava a cada dia, com milhares de novas infecções, já não é mais possível manter a postura de negação. Desde o começo da pandemia, nenhuma medida efetiva foi tomada no sentido de organizar a população para o enfrentamento da doença.

Doria fez uma demagogia com o distanciamento social no início, que visava principalmente projetá-lo e antagonizar com Bolsonaro, adversário que se prepara para enfrentar nas eleições presidenciais de 2022. Na essência, sua política é a mesma da do presidente da República, que se sintetiza na frase “deixar morrer quem tiver que morrer”.

Como os dados são subnotificados, é de se projetar que o número de infecções e mortes sejam muito maiores. Meses atrás, os tucanos mudaram a metodologia de compilação estatística, de forma a dificultar que a população acompanhe e compreenda o desenvolvimento da doença. O principal objetivo dos tucanos é evitar gastar recursos para enfrentar a doença, pois estes devem ser direcionados para os bancos e grandes capitalistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas