Imperialismo
Donald Trump acirra sua luta contr a China por meio da censura direta do aplicativo Tiktok, contradizendo sua tão estimada “livre concorrência”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tiktok-logo
Tiktok, aplicativo da empresa chinesa ByteDance | Foto: Reprodução.

Nos últimos meses, tem aumentado de forma alarmante o atrito entre os Estados Unidos e a China. Cada vez mais, o governo de Trump se mostra completamente contrário à estabelecer ligações diplomáticas apropriadas com o governo de Pequim, atacando ferrenhamente a soberania e a economia do país. Prova disso é o apoio que as manifestações de caráter imperialista têm recebido por parte da potência americana, incentivando e, até mesmo, colaborando com a organização da mobilização “popular”.

Recentemente, a agressão dos Estados Unidos frente ao desenvolvimento da China se mostrou ainda mais escancarada. Frente à popularidade do aplicativo Tiktok, iniciou-se uma grande campanha de intrigas contra a aplicação. O próprio Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, denunciou que o Titktok é, na realidade, um artifício da inteligência chinesa para espionar a população estadunidense.

Todavia, isso não foi o suficiente. Trump, não satisfeito, procurou ir além e definiu um ultimato à ByteDance, empresa que retém os direitos do aplicativo. Nesta segunda-feira (04), o republicano laranja colocou que, caso o Tiktok não seja vendido à Microsoft até dia 15 de setembro, será impedida de operar dentro do país. Trump reitera que o aplicativo representa um perigo à segurança nacional e que, por conseguinte, precisa ser controlada. Segundo a Microsoft, caso as negociações avancem, haverá uma “revisão completa de segurança” e a entrega dos “benefícios econômicos apropriados” aos Estados Unidos, além de garantir que “todos os dados privados dos usuários americanos do TikTok” sejam transferidos e permaneçam no país.

Deve ficar claro que as denúncias feitas pelo governo dos Estados Unidos não se baseiam em fatos concretos. Especialistas na área de tecnologia afirmam que a situação tem características de um golpe, colocando que o aplicativo ainda é pouco consolidado, com uma base de dados relativamente pequena quando comparada à de outros gigantes do nicho. Acima disso, precisamos entender que o ataque feito à empresa chinesa não é um fato isolado, mas sim a continuação da campanha que o governo de Trump tem feito contra a China.

O ponto é que, nos Estados Unidos, existe um gigantesco monopólio sobre as redes sociais. No momento em que uma empresa chinesa apresenta uma alternativa, prontamente é silenciada pelo governo estadunidense, visando acabar com a concorrência dentro desse espaço. Devemos lembrar, também, que, nos últimos anos, diversas empresas estadunidenses foram denunciadas pelo roubo de dados de milhões de pessoas. No momento em que forçam a venda para uma empresa do país, o fazem utilizando a evidente falácia da benevolência de suas empresas.

É um fato que demonstra perfeitamente o modus operandi do imperialismo. Promovem ataques violentos contra qualquer ameaça que possa infligir algum tipo de dano à sua dominação. Ademais, é a prova de que o governo estadunidense apoia publicamente a dominação dos monopólios em seu país, intensificando a dominação do empresariado sobre a sua economia nacional. Além disso, é um tipo de ação que infringe diretamente toda a propaganda de esquerda estadunidense. Afinal de contas, a livre concorrência existe só para aqueles que concordam com a agenda imperialista. Qualquer oposição é duramente esmagada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas