Caso Moro-Dallagnol comprova: eleição foi fraudulenta, Fora Bolsonaro!

sergio-moro

A farsa da Lava Jato desmoronou. A série de quatro reportagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil no começo da noite de domingo (9) demonstrou que Lula foi condenado sem provas e os próprios conspiradores da operação discutiam isso em mensagens privadas; que Sérgio Moro, juiz do caso, colaborou com a acusação; e que os promotores agiram abertamente para interferir nas eleições. Esse último escancara que as eleições foram fraudadas. Umas das reportagens do Intercept mostra como promotores agiram para impedir que Lula concedesse uma entrevista à Folha de S. Paulo durante as eleições, para evitar que isso favorecesse a candidatura de Fernando Haddad à presidência.

 

“Uma coletiva antes do segundo turno pode eleger Haddad”

A reportagem do Intercept mostra uma conversa privada em um grupo de procuradores no aplicativo Telegram. Por ocasião da liberação pelo ministro do STF Ricardo Lewandowski para que Lula concedesse a entrevista para Mônica Bergamo, os procuradores entram em pânico. A procuradora Laura Tessler, a certa altura da conversa, revela a preocupação fundamental que movia o grupo: “sei lá…mas uma coletiva antes do segundo turno pode eleger o Haddad”.

Mais cedo, diante da decisão de Lewandowski, Tessler explodiu em uma revolta contra a decisão: “Que piada!!! Revoltante!!! Lá vai o cara fazer palanque na cadeia. Um verdadeiro circo. E depois de Mônica Bergamo, pela isonomia, devem vir tantos outros jornalistas… e a gente aqui fica só fazendo papel de palhaço com um Supremo desse… ” Outra procuradora, Isabel Groba, respondeu: “Mafiosos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!”.

Ao mesmo tempo, Deltan Dallagnol conversava com uma amiga que não foi identificada pela reportagem do Intercept, que aparece no aplicativo com o nome “Carol PGR”. Os dois discutiam a situação:

“Carol PGR – 11:22:08 Deltannn, meu amigo

Carol PGR – 11:22:33 toda solidariedade do mundo à você nesse episódio da Coger, estamos num trem desgovernado e não sei o que nos espera

Carol PGR – 11:22:44 a única certeza é que estaremos juntos

Carol PGR – 11:24:06 ando muito preocupada com uma possivel volta do PT, mas tenho rezado muito para Deus iluminar nossa população para que um milagre nos salve

Deltan Dallagnol – 13:34:22 Valeu Carol!

13:34:27 Reza sim

13:34:32 Precisamos como país”

 

Outro procurador, Athayde Costa, sugere uma manobra que poderia ser feita pela Polícia Federal, agendando a entrevista para depois das eleições:

“Athayde Costa – 12:02:22 N tem data. So a pf agendar pra dps das eleicoes. Estara cumprindo a decisao

12:03:00 E se forcarem antes, desnuda ainda mais o carater eleitoreiro”

 

O teor das conversas mostra que a os procuradores da Lava Jato eram todos antipetistas e agiam ativamente para prejudicar o PT nas eleições. Coisa que, em público, os agentes da Lava Jato, e o próprio Sérgio Moro, sempre negaram, afirmando que estariam agindo imparcialmente. Para completar a obra, Sérgio Moro, juiz que condenou Lula sem provas, acabou virando ministro da Justiça no governo Bolsonaro, um governo eleito graças à farsa judicial que tirou Lula das eleições.

 

Eleições fraudulentas

Este jornal sempre denunciou que as eleições de 2018 foram uma fraude. Em primeiro lugar, porque Lula não pode participar, e dezenas de milhões de brasileiros não puderam votar no candidato que queriam. Além disso, o PT foi censurado nas eleições, impedido de mostrar o ex-presidente Lula em sua campanha. E Lula não pode sequer dar entrevistas à imprensa. Foi uma verdadeira operação para calar a voz de Lula nas eleições.

As conversas vazadas pelo Intercept mostram como a direita agiu por dentro do Estado para controlar as eleições e para perseguir a esquerda usando o Judiciário. Diante desses fatos, ninguém pode aceitar as eleições fraudulentas montadas pela direita para eleger um programa político contrário aos interesses dos trabalhadores. É preciso que essas eleições fraudulentas sejam anuladas, e novas eleições gerais sejam realizadas, com a participação de Lula.

Mais do que nunca, diante desses vazamentos, é preciso levantar, junto com o Fora Bolsonaro!, as palavras de ordem Liberdade para Lula! e Eleições Gerais já! É preciso reverter a fraude eleitoral montada pela direita e impor uma derrota à direita golpista que está atacando sistematicamente os trabalhadores e entregando o patrimônio do Brasil.