Empregos vs Direitos
Governo propõe uma medida reacionária e patronal para atender a necessidade de combater o desemprego
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro-e-guedes-de-mascara-1589543667128_v2_1378x775
Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress |

No último dia 20 de abril, expirou no Senado o prazo para Medida Provisória 905 ser convertida em lei, o que obriga o governo a ir atrás de outras formas para seguir atacando os trabalhadores.

Segundo a imprensa burguesa, o novo programa será uma versão mais ampla da CTVA, que pretende garantir novas contratações no mercado, dado o nível de trabalhadores em situação de desemprego ou informalidade.

O economista Manoel Pires, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas, avalia que o pico dos problemas econômicos se dará em julho, quando a economia estará funcionando novamente e os dados serão mais precisos sobre qual o impacto da pandemia na economia. Para ele, o desemprego então saltará dos 12% apurados hoje para 20%!

É daí que vem a necessidade de o governo implementar alguma medida que lide com a questão do desemprego. É evidente que a proposta do governo Bolsonaro é aproveitar-se da necessidade real de criar empregos para rebaixar, a patamares de condições análogas à escravidão, as condições de trabalho atuais.

Esse novo programa, por exemplo, não serviria apenas para jovens de 18 a 29 anos, como o anterior, mas sim para todas as faixas etárias. Ou seja, seria para rebaixar não apenas o salário e as condições de vida da juventude, mas sim as de todos os trabalhadores.

Outro ponto é que o governo retiraria encargos das empresas sobre a folha de pagamento. A famosa desoneração implementada no governo de Dilma, e que apenas serviu para empresários golpistas embolsarem o dinheiro e continuarem dando o calote nos trabalhadores, vem enfraquecendo a contribuição dos empregadores com os fundos voltados para a melhoria das condições de trabalho.

Prova disso é que um dos objetivos do regime de trabalho “verde e amarelo” é a não interferência dos sindicatos. Com isso, o governo golpista espera formalizar os trabalhadores que hoje estão recebendo R$600,00 de auxílio emergencial. Demagogicamente, o governo chega a dizer que seria um “combate ao desemprego em massa”. Contudo, os golpistas omitem que esses “novos empregos” seriam em condições piores do que nunca. O trabalhador teria que negociar todas as suas condições de trabalho diretamente com os patrões. Daí dá para deduzir que, nesse regime, seria comum os trabalhadores serem registrados e receberam como salário um valor abaixo do necessário para sobreviver.

Esse episódio é uma prova de que o governo não está preocupado, como nunca esteve, com a condição de vida da população. Esse programa é apenas a continuação da ideia propagada por Bolsonaro durante a campanha, de que os trabalhadores deveriam escolher entre empregos e direitos. Com essa lógica de “empregos vs direitos”, fica claro que os patrões se darão bem enquanto os trabalhadores passarão a morrer de fome mesmo empregados.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas