Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
idosos-4
|

Da redação – Uma das propostas da Reforma da Previdência de Bolsonaro é capitalização da previdência. Em outros termos, a privatização da previdência dos trabalhadores. Por meio de uma lei complementar, de forma inconstitucional, querem acabar com previdência social, de caráter solidário e gerenciada pelo Estado. É inconstitucional, pois a constituição de 1988 garante este direito, e a lei que querem incluir entraria em contradição direta com isto.

A gravidade desta proposta é imensurável. É um ataque sem precedentes. Quem irá recolher e administrar a previdência dos trabalhadores não será mais um fundo coletivo, e sim um fundo de previdência privado, sob o controle dos bancos.

Uma das principais implicações desta lei é que acaba com as aposentadorias especiais. Por exemplo, a pessoa que nunca trabalhou por conta de alguma deficiência física ou psicológica, e portanto nunca contribuiu, não terá mais direito a recorrer ao INSS para ter sua aposentadoria.

Da mesma forma, o indivíduo que sofrer um acidente de trabalho e tiver que se retirar da atividade produtiva não poderá recorrer para garantir uma aposentadoria minimamente digna, pois o regime de previdência será individual – o fundo social que garantiria esse direito não existirá mais – e portanto irá receber apenas aquilo com que contribuiu.

Uma política totalmente desumana, bárbara e animalesca, pois as pessoas com dificuldades para trabalhar não terão nenhuma fonte de renda para se sustentar financeiramente. A previdência solidária, com fundo coletivo, em que todos os trabalhadores e os patrões devem contribuir para sustentar o conjunto da população, inclusive aqueles que têm menos ou nenhuma condição para se manter, será extinguido. Fica então instaurado a lei da selva, do cada um por si.

Sem falar que o fundo de previdência será administrado pelos bancos, que fazem o que quiser com o dinheiro, gerando uma profunda insegurança na renda dos trabalhadores. Como se sabe, os bancos irão utilizar esse dinheiro para realizar transações financeiras nas bolsas de valores. Isto é, irão torrar momentaneamente o dinheiro dos trabalhadores. Dinheiro este que em qualquer crise financeira (com a falência do banco, por exemplo) pode poderá desaparecer, sem nenhum tipo de seguro para os trabalhadores. Colocado de outra forma, o que Bolsonaro e Paulo Guedes estão fazendo é institucionalizando o roubo da aposentadoria dos trabalhadores pelos banqueiros.

Vale lembrar que Guedes é funcionário do governo norte-americano. Formado nos Estados Unidos, na Universidade de Chicago (que lhe valeu a caracterização de Chicago Boy), uma instituição do imperialismo para formar economistas ligados ao capital financeiro, o ministro de Bolsonaro está levando adiante o interesse de seus mandantes.

A política dos Chicago Boys no Chile, durante a sangrenta ditadura de Pinochet (elogiada por Bolsonaro), realizaram, nos anos 70, uma reforma da previdência (apoiada por Guedes) que originou o projeto colocado no Brasil. As consequências disso: uma profunda crise social nos idosos chilenos. Os índices de depressão e suicídio aumentaram tanto neste setor da população que governo está tendo que intervir, 40 anos depois, para estabelecer o mínimo de segurança social de forma com que não entrem em desespero completo.

É isso que Bolsonaro quer para os trabalhadores brasileiros, a miséria total e a dependência aos banqueiros parasitas. Claro, sem mencionar o resto dos ataques, como o aumento do tempo de contribuição e a diminuição da previdência para os trabalhadores que se aposentarem pela idade, passando de 80% do último salário para apenas R$ 400,00 – um farelo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas