“Demissões S/A”
A burguesia industrial saiu a público, através da Folha de S. Paulo, para ameaçar a classe trabalhadora de conjunto com demissões em massa; é preciso reagir a altura!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Trabalhadores renault (1)
É necessário que os trabalhadores deem o troco na mesma moeda, intensificando as greves operárias | Foto: Reprodução

A Folha de S. Paulo, em seção chamada Painel S.A, que dá voz à classe patronal, dos empresários, ditada explicitamente por essa camada privilegiada da sociedade de classes que esmaga a a classe trabalhadora de conjunto, noticia em tom de ameaça dizendo que se a burguesia não obtiver seus lucros obscenos que se propõe haverá demissões em massa em todo País. 

O primeiro ponto da coluna, que é no mínimo asquerosa, aponta que “presidentes de grandes empresas”, isto é, os grandes monopólios da indústria estiveram observando os planos eleitorais do governo Bolsonaro e houve uma insatisfação generalizada dos sanguessugas da população. Segundo esses capitalistas, a pauta eleitoral do governo golpista é uma perca de tempo e não se propõe a solucionar a crise capitalista que se agrava com a pandemia. 

Segundo a coluna do jornal golpista, o governo fez o primeiro passo para “recuperar a economia”, que é curiosamente a aprovação do auxílio emergencial. Isto é, a burguesia apoia o auxílio tal qual ele está posto, um valor de esmola e extremamente difícil de conseguir ver esse dinheiro na mesa do trabalhador. O auxílio freia a convulsão social que é latente na situação política, para a burguesia, coisa que é extremamente necessária para seguir com a política de rapina contra o povo.  

Mas segundo os capitalistas, a “segunda marcha” para “salvar a economia” não é colocada em prática: salvar os lucros obscenos das empresas. O que eles traduzem como “salvar a economia”. Sendo que na verdade as empresas que a coluna chama de “multinacionais”, isto ´é, os monopólios, não estão lucrando como antes devido à crise, mas nunca deixaram de lucrar. E isso fica explicito na coluna “S.A” da Folha, já que mesmo responsabilizando o governo, a burguesia ameaça não o Bolsonaro, mas os trabalhadores. 

Mostra, em primeiro plano, que essa classe parasitária não está disposta a confrontar de fato o governo Bolsonaro, como pensa setores pequeno-burgueses da esquerda, mas sim jogar todo peso da crise capitalista nos ombros da classe trabalhadora. Inclusive, a própria coluna faz questão de citar o caso da Renault no Paraná, onde 720 trabalhadores foram demitidos pela classe patronal da noite para o dia, onde teve uma greve à revelia do sindicato para impedir as demissões. O que a burguesia está dizendo afinal é: isto vai se intensificar.  

É necessário que os trabalhadores deem o troco na mesma moeda, intensificando as greves em todas as categorias que forem ameaçadas por esses parasitas do povo que é a burguesia. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas