Efeitos da covid19 na economia
Nesta semana o secretário Waldery Rodrigues anunciou durante audiência no Senado que o impacto da pandemia de covid-19 será de R$ 876 bilhões nos próximos 10 anos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2-61-420x269 (1)
Secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues | Foto: Edu Andrade/ME

Nesta semana o secretário Waldery Rodrigues anunciou durante audiência no Senado que o impacto da pandemia de covid-19 será de R$ 876 bilhões nos próximos 10 anos. Rodrigues é o secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia e anunciou essa realidade em sua participação na audiência pública na comissão especial que acompanha os gastos do governo para o enfrentamento da covid-19.

Segundo Rodrigues do montante de R$ 876 bilhões um total de R$ 615 bilhões seria o impacto direto com a pandemia de covid-19 e os outros R$ 261,6 bilhões previsto com aumento das despesas com juros em dez anos. Deste montante os maiores gastos seriam relativos aos pagamentos do auxílio emergencial, que estão estimados em R$ 322 bilhões em 2020 e R$ 143,3 bilhões de juros provenientes da dívida com o auxílio emergencial.

“O custo intergeracional, ao longo do tempo, calculamos em R$ 261 bilhões — custo do endividamento trazido pelas medidas da Covid-19 ao longo dos próximos dez anos — ou 0,4% do PIB. A gente tem que se preocupar com o hoje e com o amanhã”, afirmou Rodrigues.

O montante do impacto apresentado pelo governo da pandemia de covid-19 é próximo do montante supostamente “economizado” com a reforma da previdência. A reforma da previdência realizou um verdadeiro assalto a população, aumentando a idade mínima de aposentadoria, impondo regras regras de transição para os trabalhadores da ativa, com novas regras mais restringentes ao acesso aos benefícios.

Nesse cenário o diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado Federal (IFI), Felipe Salto saiu em defesa do assalto a classe trabalhadora chamado de reforma administrativa:  “A gente pode dizer que, sem a reforma da Previdência, aprovada ainda que tardiamente, as projeções para a dívida pública estariam mais altas. Certamente, estaríamos em uma situação pior”.

Sob desculpa do forte endividamento o Tesouro Nacional defende que não pode aceitar “medidas que dificultem o processo de consolidação fiscal e fragilizem a regra do teto de gastos”. Prometendo ainda em 2020, avança com as PECs do pacto federativo, emergencial e dos fundos públicos, e com os marcos regulatórios de cabotagem (navegação entre portos do mesmo país), do gás e das ferrovias.

Todos os pronunciamentos dos representantes da burguesia ou do governo Bolsonaro vão no sentido de querer retirar ainda mais dos trabalhadores para pagar gastos na pandemia. A mesma burguesia que com uma mão dá uma verdadeira esmola que foi o auxílio emergencial e com a outra mão tira todos os direitos da população realizando um verdadeiro saque no bolso dos trabalhadores. É certo que a burguesia e o governo golpista de Bolsonaro planejam novas reformas entre outras manobras para retirar direitos da população jogando aos milhares os trabalhadores ainda mais na miséria.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas