Polarização política
O episódio aconteceu enquanto os candidatos saíram para lanchar após realizarem atividades da campanha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pt (1)
Candidatos do PT no município de Caraguatatuba (SP) registraram ataque na Delegacia de Polícia | Foto: PT

Na última sexta-feira (16), dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT) de Caraguatatuba (SP) sofreram um atentado da direita, com o uso de armas de fogo. Diante do ocorrido, a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, se pronunciou colocando que “no Brasil de [Jair] Bolsonaro, o recurso à violência física contra a oposição está virando lugar comum. Mas isso não pode ser tolerado”.

O partido registrou neste sábado um boletim de ocorrência na delegacia da Polícia Civil e pediu abertura de uma investigação.

O episódio ocorreu enquanto os candidatos saíram para lanchar após realizarem atividades da campanha, como relata o presidente municipal do PT, Luan Moreno:

“A gente encerrou a campanha e paramos para comer um lanche, quando deixávamos o local, um carro parou e o seu ocupante passou a deferir ofensas contra o grupo, atacando o partido com palavras de baixo calão e muito ódio. Evitamos entrar na discussão e continuamos caminhando em direção aos carros. Em seguida, ouvimos vários disparos de arma de fogo, pelo menos quatro tiros”.


Outros atentados similares aconteceram recentemente em São Paulo e Goiás, contra a presidenta do PT em Nuporanga e a contra a sede do PT em Goiânia. Fora os ataques físicos, observa-se nessas eleições um aumento da repressão e perseguição política contra os partidos de esquerda, com a clara tentativa de boicotar a campanha nas ruas.

Esse tipo de intimidação truculenta contra os partidos e organizações dos trabalhadores não é algo novo. Foi assim também na Itália e na Alemanha, onde os fascistas, através da violência física, impediam a esquerda de fazer campanha, até aniquilar as suas organizações de luta dos trabalhadores completamente.

Por isso, ao invés de abaixar a cabeça, é preciso intensificar a campanha de denúncias contra a ofensiva ditatorial da direita e lutar por reivindicações verdadeiramente populares, pelo fora Bolsonaro e todos os golpistas. Desta forma, além da mobilização em torno das denúncias, é preciso formar comitês de auto defesa dentro das organizações populares.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas