Vote 29 e lute com o PCO
O PCO não difunde propostas vazias, e sim propõe um programa de luta para o povo. No debate chamado pelo DCE da UFRJ, a posição revolucionária do PCO se opôs as demais demagogias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
photo5152601566010779876
Ato do Fora Bolsonaro no Rio, organizado pelo PCO e pelos comitês de luta | Foto: Reprodução

Ontem, no dia 26 de outubro, segunda-feira, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) Mário Prata da UFRJ chamou um debate com os candidatos às prefeituras do Rio de Janeiro. Nesse evento, o candidato do Partido da Causa Operária não só desnudou a direita e a frente ampla, como propôs, em contraposição a todos os outros, um programa de luta real para a classe trabalhadora. Entre os que participaram, estiveram presentes Henrique Simonard – PCO, Renata Souza – PSOL, Cyro Garcia – PSTU, Andrea Gouvêa, vice da rede, o delegado e empreendedor Fernando Veloso, vice pelo PSD, Mauro Santos, vice pelo PSC e a enfermeira Rejane, vice pelo PT.

Na primeira rodada de apresentação geral, o militante do PCO anunciou o enorme crescimento do partido e de sua influência política, o qual “está participando das eleições em mais de 20 capitais pelo País e em mais de 80 cidades”. Além disso, o companheiro enfatizou com clareza a posição partidária de sua candidatura e de seu programa: “Nós estamos lançando candidaturas não de pessoas individuais, mas de representantes do partido.”

Nesse âmbito, ele também denunciou a participação de candidaturas que fazem propaganda em benefício próprio dos candidatos, como foi o caso do delegado que se apresentou como favelado. ”Temos que prestar atenção em qual é o programa defendido por trás dessas figuras e não a pessoa em si, um delegado da polícia, órgão que mais mata no Brasil e no mundo, está fazendo uma média com o pessoal da favela que mais morre nas mãos da polícia.”. Trata-se claramente de uma demagogia barata, e como colocou Simonard:

 “No PCO não temos esse tipo de demagogia, lançamos candidatos para defender um programa de luta contra o Golpe, um programa pelo Fora Bolsonaro, um programa para levantar adiante as reivindicações da população, por novas eleições, eleições democráticas de fato, com Lula tendo direito a ser candidato.”

Ao agradecer a iniciativa do DCE, ele ressaltou o que já deveria ser óbvio para a esquerda iludida. “Nesse momento, vivemos uma das eleições mais antidemocráticas que a gente já enfrentou, o PCO mesmo não tem tempo de televisão e mal é chamado para debates.” 

Na rodada de perguntas sobre o tema saúde, Andrea Gouvêa que já esteve na gestão do RIO pelo PSDB, se propôs a perguntar sobre a insuficiência das novas clínicas infantis, que não reduziram as taxas de mortalidade materna e a taxa de mortalidade infantil

O PCO, como bem esclareceu o companheiro, trata da questão da saúde dentro de sua realidade, na crise sanitária e no golpe. 

“A primeira questão para tratarmos de saúde é a questão da pandemia… durante isso vemos vários governos, do Rio de Janeiro e de Santa Catarina, desviando verbas que seriam para o combate ao coronavírus. O PCO é contra esse genocídio explícito que está sendo feito contra a população”, assim, o problema específico apresentado por Andrea “não é um problema desconexo da realidade do Brasil.”. E apesar do PCO ser obviamente a favor de medidas preventivas, bem como do total investimento na saúde, ele defende a mobilização para “acabar com o governo Bolsonaro”

Sobre o tema da repressão, Simonard colocou que “nas eleições não se trata nunca de um projeto pessoal das pessoas, elas representam partidos que defendem interesses de quem paga a campanha”. Sobre essa questão da polícia, ela “precisa ser colocada em todos os âmbitos”, diante das desculpas colocadas por Mauro, o companheiro denunciou sua falsidade e relembrou que “Witzel falou que precisa atirar na cabecinha” e que na realidade “A população continua morrendo na ponta do fuzil do policial.”

No segundo Bloco, o candidato bolsonarista do PSC, Mauro Santos questionou o que o PCO defenderia a favor do funcionalismo público no Rio de Janeiro.

Henrique colocou a posição do PCO, que contra toda demagogia da direita que coloca o funcionalismo público como uma problema de arrecadação do Brasil, posiciona o mal na sua raiz “é a questão de pagar as dívidas e os empréstimos aos banqueiros, é aí que fica a maior parte do dinheiro nacional, estadual e municipal.”. 

“Somos contra essa PEC de gastos, a gente é contra a reforma da previdência que fizeram agora e a nova reforma do serviço público que o governo Bolsonaro está tendo implantar, pelo contrário, a gente defende, para os servidores assim como para qualquer parte da população, a organização em comitês para lutar pelas principais reivindicações que tenha a categoria, o PCO é um forte defensor dos sindicatos e das organizações dos trabalhadores.”

Mauro, por outro lado, defende justamente as pautas vazias famosas no discurso da direita, pretendendo rever o plano de saúde dos trabalhadores, fazer a retomada da carta de crédito, e qualificar os funcionários. 

“No papel está ótimo”, como colocou o militante do PCO, “vamos ver agora se o PSC, aliado aí do governo Bolsonaro, aliado aí da direita golpista que tirou a Dilma, vai tirar alguma dessas coisas do papel e não  simplesmente ficar interessado em endividar o município, endividar o estado e colaborar com o governo Bolsonaro para acabar com o Brasil… vamos ver se alguma migalha vai sobrar para o povo brasileiro, porque a gente viu que não sobra, vocês ficam com tudo.”

Sobre saúde e transporte, Henrique defendeu as propostas do partido, como utilizar todos os imóveis parados para fazer verdadeiros hospitais de campanha, e triplicar, se necessário, a quantidade de transportes públicos para acabar com a lotação.

Sobre a questão das mulheres, com ênfase na violência obstétrica como questionado por Rejane do PT, o companheiro esclareceu que se trata de um problema social. “Não existe nenhuma lei que vai melhorar o problema… ele está inserido em um problema da nossa sociedade que enxerga a mulher como um ser inferior”. Ele propôs também, como medidas imediatas para resolução parcial do problema, fazer uma campanha para evidenciar o problema, com grupos de mulheres para tratar da questão e reivindicarem mais mulheres ginecologistas. Além disso, ele concordou com a proposta da candidata para fazer casas de parto em todos os municípios da cidade.

Em sua última pergunta, Henrique perguntou para Cyro do PSTU a posição do partido para o problema da polícia, que mesmo se colocando como um partido revolucionário, ainda defende a polícia como uma instituição, culpando apenas umas “maçãs podres” como colocou Henrique. Cyro ressaltou essa posição e defendeu uma polícia que possa se estabelecer “pelo respeito e não pela repressão.”.

Como resposta, o companheiro do PCO, único partido que defende a dissolução da PM nas eleições, colocou: “a polícia tem o papel de reprimir a população e ponto. Não é um problema de algumas maçãs podres, não é um problema de fazer reformas da polícia e torná-la menos violenta, ainda assim, vai cumprir seu papel. Então nossa proposta aqui é acabar completamente com a polícia, seja civil, seja militar, seja com a guarda municipal… nosso programa de autodefesa é o armamento da população, a formação de comitês de bairro e a formação de comitês de fábrica.”.

Finalmente, como agradeceu e argumentou Henrique, os debates organizados pela imprensa independentes e organizações dos trabalhadores e de estudantes podem abrir espaço para uma discussão completamente estrangulada pela imprensa burguesa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas