Candidato da esquerda, Ciro Gomes afirma que invasão de terra é uma selvageria

ciro sabatina

O candidato à presidência da república em 2018, Ciro Gomes (PDT), foi sabatinado pela imprensa golpista do UOL, Folha de S. Paulo e SBT, nesta segunda-feira (21/05) e atacou duramente os movimentos de luta pela terra em todo o país.

O candidato abutre ao ser questionado sobre o tema da reforma agrária e ocupação de terras, afirmou que “invasão de terra produtiva é um indicador de selvageria e de incapacidade jurídica do Estado de Direito democrático de se fazer respeitado. Invasão de terra é tão selvagem quanto você impedir que trabalhadores que querem ter acesso à terra não consigam ainda em pleno século 21. Portanto, você tem que fazer a reforma agrária abrindo caminho para quem nela deseja trabalhar a terra e você tem que fazer garantir o Estado de Direito democrático, que é a proteção da incolumidade das pessoas e de suas propriedades”.

Ciro Gomes, como bom candidato burguês, defende os latifundiários manipulando informações e simplificando os argumentos, mas seria importante pontuar três assuntos: 1. Direito a propriedade, 2. Terras produtivas e 3. Movimentos de luta pela terra

O candidato abutre não coloca que as chamadas “invasões” de terra, produtivas ou não, ocorrem porque o Estado se recusou a realizar a reforma agrária criando a conhecida Lei de Terras (A Lei nº601 de 18/09/1850), criada no período final da escravidão onde as terras só poderiam ser adquiridas por meio de compra e venda, e que legalizava os títulos das sesmarias. Nem precisamos dizer que essas terras foram distribuídas aos “amigos”, formado por políticos, latifundiários e a burguesia brasileira.

Boa parte dos latifundiários de hoje receberam grandes extensões de terra do governo federal ou “compraram” terras griladas, sendo todas questionáveis quando há milhões de famílias famintas e sem-terra no campo brasileiro. Um dos principais estudiosos do assunto no país, o professor Ariovaldo Umbelino (USP), afirma que 1/5 das terras do país não pertencem aqueles que o cercaram. Ou seja, terras obtidas através da grilagem.

A palavra produtiva é extremamente questionável, pois os índices de produtividades que vigoram hoje são os mesmos da década de 70, cujos latifundiários impedem de todas as maneiras desses índices serem atualizados para os dias atuais, visto que essas produtividades triplicaram. Com os índices de produtividade da década de 70, qualquer latifúndio é produtivo.

Outra coisa, é que as chamadas “invasões” são realizadas por diversos movimentos de luta pela terra, desde pessoas que são trabalhadores dos latifúndios até povos indígenas, que fazem as chamadas retomadas de terras em que vivam e foram expulsos, passando por quilombolas e posseiros.

Ciro Gomes se fosse um candidato minimamente progressista ou de esquerda, deveria ter colocado que defende incondicionalmente as ocupações de terra, diante dos problemas citados, mas não! Como candidato golpista com uma fachada esquerdista, ataca duramente os trabalhadores sem-terra, indígenas e quilombolas para afagar os latifundiários golpistas. Tem que fica claro que selvageria é ter milhões de famílias sem-terra num país das dimensões do Brasil e com toda a história da posse de terra no país.

Se colocar contra as ocupações de terra é ficar de braços dados com os latifundiários assassinos que cometem as maiores atrocidades com a população pobre do campo que luta por um pedaço de terra.