Imprensa operária
Fique livre das mentiras da imprensa burguesa se inscrevendo no canal do Diário da Causa Operária no Telegram
dco-telegram
DCO no Telegram | Foto: Divulgação COTV
dco-telegram
DCO no Telegram | Foto: Divulgação COTV

O Diário Causa Operária tem, desde 2018, um canal no Telegram, onde os inscritos recebem diariamente muitas informações e notificações de matérias que foram postadas em nosso diário online.

O Telegram tem se consolidado como uma das ferramentas de comunicação mais usadas em todo o mundo, com mais de 500 milhões de usuários ativos. O canal do DCO já tem quase 700 inscritos.

Um dos recursos que destacam o Telegram sobre o WhatsApp é justamente a possibilidade do uso dos canais. Inscreva-se ainda hoje lá, seguindo este link ou procurando por @diariocausaoperaria. Ao encontrar o canal clique em “entrar”. A partir desta inscrição você passará a receber todas as notificações de novas matérias postadas no nosso Diário Causa Operária, com muitos textos que interessam a todos os trabalhadores, matérias vistas pela ótica do marxismo.

Além disso, todas as manhãs é enviado um boletim com as principais matérias do dia.

A polêmica do WhatsApp e Facebook

O Telegram é um dos aplicativos de mensagens que mais vem crescendo em todo o mundo, um software que está disponível em várias plataformas, para computadores desktop e móveis como o Android, iOS (iPhone), Windows, macOS e Linux. O Telegram foi lançado em 2013 pelos irmãos Nikolai e Pavel Durov, que antes já haviam lançado a rede social russa VK. Eles deixaram o VK após a rede ter sido tomada pelos aliados do Presidente Vladimir Putin.

Após este acontecimento Pavel Durov vendeu o resto de suas ações no VK e saiu da Rússia. Nikolai Durov criou o protocolo MTProto, enquanto Pavel conseguiu apoio financeiro e infraestrutura através de seu fundo Digital Fortress. A companhia e seu aplicativo foram iniciados em 2013 na Rússia e depois se mudaram para Berlim, na Alemanha entre 2014 e 2015. Depois disso, como não conseguiam permissões de residência para toda a sua equipe, começaram a se mover de um País a outro com um pequeno grupo de quinze programadores de computadores.

O anúncio, feito no início de 2011, de que os dados dos usuários do WhatsApp passariam a ser obrigatoriamente compartilhados com o Facebook, fez com que muitas pessoas procurassem uma alternativa para o aplicativo de conversas, como o Signal e o Telegram.

A reação negativa ao anúncio do WhatsApp fez a empresa se manifestar, dizendo que as mensagens e o conteúdo trocado no aplicativo continuavam a ser criptografados, ou seja, não poderiam ser acessados pelo Facebook.

De qualquer maneira, o Telegram se tornou o aplicativo mais baixado no mês de janeiro de 2021, à frente de Tik Tok, Signal, Facebook e WhatsApp.

A luta contra a censura

Além de ser considerada uma plataforma onde os dados pessoais e compartilhamento dos usuários são mais seguros, o Telegram ainda não tem casos de censuras de conteúdo. Pensando nisso o PCO tem intensificado suas operações nesta rede, divulgando o conteúdo do seu Diário Causa Operária.

Nestes tempos em que a liberdade de expressão sofre cada vez mais ataques, inclusive vindos de grupos da esquerda, é necessário manter todas as vias possíveis abertas para informação de qualidade, sem o viés ideológico de direita carregado pela imprensa tradicional.

Além disso, temos que lembrar que plataformas como o Facebook são, a cada dia, mais e mais monitoradas e muitas publicações têm sido censuradas, geralmente com a desculpa das fake news.

O problema é saber quem decide o que é verdadeiro ou o que é falso. No Facebook são os velhos grupos corporativos que decidem o que é fake news ou não, ou seja, os mesmos grupos capitalistas, interessados no domínio da opinião pública, o imperialismo da imprensa, os chamados Big Techs. Por isso é importante termos canais livres do controle do imperialismo, como é o caso dos canais dentro do Telegram.

Em outras redes como o Twitter a censura foi muito mais explícita. Vide o caso da conta do ex-presidente Donald Trump, que foi censurada por conta das fake news e depois por conta de suas denúncias de fraudes nas eleições americanas. Foram medidas tremendamente arbitrárias e persecutórias, levadas a cabo pela burguesia americana com o fim de eleger Joe Biden.

Sobre esta censura a Donald Trump, o ex-analista de sistemas americano Edward Snowden, que se refugiou na Rússia para escapar da perseguição do governo americano declarou: “O Facebook oficialmente silencia o Presidente dos Estados Unidos. Pelo bem ou pelo mal, este evento será lembrado como o ponto de inflexão na batalha pelo controle do discurso digital”.

O PCO não tem medido esforços para divulgar suas ideias e seu programa, em todas as plataformas possíveis. No momento o partido tem inúmeras páginas no Facebook, um canal no Twitter e no Instagram e um canal de televisão no YouTube, a Causa Operária TV, um grande triunfo, o primeiro canal de esquerda, no ar 24 horas por dia, algo totalmente inédito.

Tudo isso é fruto de uma imprensa militante, dedicada à construção de um verdadeiro partido operário de massas.

Por isso inscreva-se no canal do PCO no Telegram e divulgue entre os seus contatos. Façamos crescer este canal independente, livre das mentiras da imprensa burguesa e cujo objetivo final é a implantação do socialismo em nosso país.

Relacionadas
Send this to a friend